EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Presidente polaco vai ratificar polémica lei do Holocausto

Presidente polaco vai ratificar polémica lei do Holocausto
Direitos de autor 
De  Rodrigo Barbosa com AFP / EFE / Reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Israel reiterou críticas e disse esperar que revisão do Tribunal Constitucional polaco permita modificar texto

PUBLICIDADE

A polémica lei polaca sobre o Holocausto segue em frente, apesar das múltiplas críticas de Israel e dos Estados Unidos.

O presidente Andrzej Duda anunciou que vai ratificar o texto, que proíbe falar em "campos de concentração polacos" e pune com penas de até três anos de prisão os que acusarem a nação ou Estado polaco de colaborar nos crimes nazis.

Duda afirma que "o Estado polaco - que não existia na época do Holocausto - e as instituições polacas não participaram na indústria alemã da destruição, nem colaboraram com os alemães. Em muitos países, houve governos que colaboraram com os nazis e executivos 'fantoche' nomeados pela Alemanha nazi. Mas essa situação não existiu na Polónia. A Polónia lutou contra a Alemanha."

Israel reiterou esta terça-feira a condenação da lei mas, numa reação mais moderada, disse esperar que a revisão por parte do Tribunal Constitucional polaco - com a qual Duda está de acordo - permita modificar um texto que Telavive considera que "desafia a verdade histórica".

Na última evidência das tensões entre os governos polaco e israelita, Varsóvia cancelou a visita do ministro israelita da Educação, que estava prevista para esta semana. Naftali Bennett reagiu, dizendo-se "honrado" com a decisão polaca, tomada depois de ele ter "mencionado os crimes do povo [polaco]".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Dois minutos de silêncio em Israel

Eurodeputado polaco perde vice-presidência devido a insulto nazi

Primeiro-ministro polaco promete reforçar a segurança na fronteira com a Bielorrússia