Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Donald Trump agenda visita à Flórida

Donald Trump agenda visita à Flórida
Direitos de autor
Reuters
Tamanho do texto Aa Aa

O Presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou hoje que vai deslocar-se a Parkland, na Flórida (sul dos Estados Unidos), onde um jovem de 19 anos abateu a tiro 17 alunos de um liceu que tinha frequentado.

Num breve discurso dirigido ao povo norte-americano, Donald Trump frisou que falava para uma "nação que sofre", sem nunca ter pronunciado a palavra "arma de fogo".

O suspeito do tiroteio, identificado como Nikolas Cruz, usou uma arma semiautomática durante o incidente que visou estudantes e professores do liceu Marjory Stoneman Douglas.

Na declaração feita a partir da Casa Branca, o chefe de Estado pediu aos norte-americanos para "responderem ao ódio com amor, responderem à crueldade com bondade" e prometeu lidar com "o difícil problema das doenças mentais".

Hoje de manhã, Donald Trump afirmou, através da rede social Twitter, que o suspeito do tiroteio estaria aparentemente "mentalmente perturbado".

Ainda na declaração dirigida ao povo norte-americano, Trump indicou que pretende encontrar-se em Parkland com os familiares das vítimas e com as autoridades locais, bem como garantiu que o caso será acompanhado em coordenação com as entidades federais.

"Aos agentes policiais, aos primeiros socorristas e aos professores que responderam de forma tão corajosa diante do perigo, agradecemos a vossa coragem", declarou.

Donald Trump está a planear passar o fim de semana na Florida, onde fica localizado um dos seus resorts, Mar-a-Lago, em Palm Beach.

A Casa Branca referiu que os pormenores da visita de Trump a Parkland ainda estão a ser finalizados.

Nikolas Cruz, de 19 anos, foi hoje acusado por 17 crimes de homicídio premeditado. Foi interrogado durante horas pelas autoridades estaduais e federais dos Estados Unidos, na sequência do tiroteio mais sangrento numa escola norte-americana nos últimos cinco anos.

O ataque provocou ainda 14 feridos que tiveram de ser hospitalizados.

Nikolas Cruz - um órfão apontado como tendo um passado problemático - ficou detido sem direito a fiança.

Com Lusa