EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

"Três cartazes à beira da estrada" triunfa nos BAFTA

"Três cartazes à beira da estrada" triunfa nos BAFTA
Direitos de autor REUTERS
Direitos de autor REUTERS
De  Ricardo Figueira com LUSA
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O filme de Martin McDonagh conquistou cinco prémios, superando o favoritismo de "A Forma da Água", que era o filme mais nomeado, com indicação para 12 categorias.

PUBLICIDADE

"Três cartazes à beira da estrada" foi o grande triunfador dos prémios da Academia Britânica de Cinema, os BAFTA - uma cerimónia que parece ser premonitória dos **Óscares **e em que os favoritos acabaram por vencer.

Frances McDormand, protagonista do filme, venceu o prémio de melhor atriz. No discurso de aceitação, mostrou solidariedade para com as mulheres vestidas de preto, em protesto contra o assédio sexual. Disse ainda: "Quando comecei como jovem atriz, na escola de teatro, disseram-me que não tinha um dom natural e tinha de trabalhar nele... foi o que fiz".

"Três cartazes à beira da estrada", com realização de Martin McDonagh, venceu os prémios de melhor filme, melhor atriz, melhor filme britânico, argumento original e ainda o de melhor ator secundário para Sam Rockwell.

Outro prémio que não constituíu qualquer surpresa foi o de melhor ator para Gary Oldman, no papel de Winston Churchill em "A hora mais negra".

A notável transformação de Oldman no antigo primeiro-ministro britânico, aqui retratado no início do mandato e momento crítico da Segunda Guerra Mundial, valeu também um prémio pela maquilhagem.

Destaque ainda para o prémio de melhor realizador para Guillermo Del Toro por "The shape of water" - A forma da água".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Salvar o planeta Terra com projetos distinguidos nos Prémios Earthshot

Ativista afegã critica dois pesos e duas medidas da comunidade internacional

Ucrânia pede à Alemanha para que "actos sejam seguidos de palavras"