EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Ex-diretor da Oxfam no Haiti admite que pagou para ter relações com prostitutas

Ex-diretor da Oxfam no Haiti admite que pagou para ter relações com prostitutas
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A informação consta de um documento publicado esta segunda-feira pela Oxfam que revela ainda que três funcionários da ONG ameaçaram fisicamente uma testemunha da investigação aberta para averiguar as denúncias

PUBLICIDADE

O antigo diretor da Oxfam no Haiti, envolvido num escândalo sexual, chegou a dizer que não é "santo" mas nega ter pago sexo com prostitutas ou abusado de menores de idade durante a missão.

Não é bem assim, pelo menos de acordo com um relatório interno da organização não-governamental (ONG) elaborado no ano em causa e divulgado esta segunda-feira, ainda que numa versão parcialmente censurada.

De acordo com o documento, o belga Roland van Hauwermeiren foi convidado a demitir-se da Oxfam juntamente com outros dois responsáveis depois de reconhecer que teve relações com prostitutas na residência no Haiti, financiada pela ONG.

O relatório de 2011 concluiu que "nenhuma das acusações iniciais de fraude, nepotismo ou contratação de prostitutas menores de idade conseguiram ser demonstradas pela investigação, mas que não era possível descartar que pelo menos uma das prostitutas era menor de idade."

À luz de uma carta publicada recentemente na imprensa belga van Hauwermeiren é um outro homem. Na missiva disse nunca ter entrado num bordel no Haiti e admitiu ter tido encontros sexuais mas com uma mulher que qualificou de "honrada e madura."

Depois do trabalho para a Oxfam no Haiti, o antigo diretor rumou ao Bangladesh ao serviço da ONG francesa Ação Contra a Fome.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Governo haitiano suspende aumento de combustíveis depois de violentos protestos

Cerca de 5 milhões em situação de insegurança alimentar no Haiti devido a violência

Mais de 53 mil pessoas fogem da capital do Haiti devido à violência dos gangues