Última hora

Última hora

Os melhores momentos dos Jogos Olímpicos de Inverno

Em leitura:

Os melhores momentos dos Jogos Olímpicos de Inverno

Os melhores momentos dos Jogos Olímpicos de Inverno
Tamanho do texto Aa Aa

Depois de quase três semanas de competições os Jogos Olímpicos de Pyeongchang chegaram ao fim. Uns jogos onde houve de tudo; atletas que fizeram história, delegações que quebraram recordes e jovens promessas que vieram ficar. Esta é a nossa seleção dos melhores momentos dos Jogos de Inverno de Pyeongchang.

Shaun White tornou-se no primeiro snowboarder a ganhar três medalhas de ouro olímpicas em três edições diferentes. White ganhou a sua primeira medalha Olímpica de ouro há 12 anos, e fez história ao conquistar conquistar o 100º ouro para os Estados Unidos na história dos Jogos de Inverno.

Martin Fourcade tornou-se no atleta francês mais medalhado da história olímpica, depois de conquistar o ouro olímpico na estafeta mista de Biatlo, a masculina escapou-lhe. Foi o quinto título Olímpico do atleta de 29 anos, o terceiro na Coreia do Sul. O gaulês tinha conquistado dois ouros em Sóchi, em 2014. O esquiador alpino Jean-Claude Killy tinha o anterior recorde, três medalhas Olímpicas, arrecadadas em 1968, em Grenoble.

Ester Ledecká, de 22 anos, tornou-se no primeira atleta a ganhar o ouro olímpico tanto em esqui como no snowboard. Ela é a única atleta a ter competido em ambos os eventos. Sete dias depois de se tornar na primeira atleta de snowboard a vencer em esqui alpino, modalidade Super-G, arrecadava também o ouro no slalom paralelo gigante de snowboard.

A seleção da Noruega superou-se. Conquistou 39 medalhas e quebrou o recorde dos EUA, estabelecido há oito anos nas Olimpíadas de Vancouver. Os norte-americanos tinham ganho 37.

Chloe Kim tornou-se na mais jovem atleta a ganhar uma medalha olímpica de snowboard. Kim ganhou ouro no halfpipe de snowboard feminino em, Pyeongchang, aos 17 anos.

Com apenas 15 anos, a patinadora artística russa Alina Zagitova ganhou a primeira medalha de ouro para os atletas olímpicos da Rússia. Já a equipa masculina de hóquei no gelo ganhou a segunda para esta delegação.

Casos de doping em PyeongChang

Mas, como em todas as histórias, há sempre um lado sombrio. E neste caso não foi nada de novo. A sombra do doping voltou a pairar sobre os Jogos Olímpicos. Atletas russos que competiam sob a bandeira olímpica deram positivo nos testes antidoping, o que resultou na perda de medalhas olímpicas. Com apenas 15 anos, a patinadora artística russa Alina Zagitova ganhou a primeira medalha de ouro para os atleta olímpicos da Rússia. Já a equipa masculina de hoquéi no gelo ganhou a segunda para esta delegação.

Depois de ver a sua seleção afastadas dos Jogos Olímpicos de Inverno pelos casos de doping, a Rússia não conseguiu afastar o estigma e acabou enredada de novo nas teias dos controlos positivos.

As análises a Alexander Krushelnitsky, incluindo a contraprova, deram positivo para o uso de uma substância proibida, o meldonium. O atleta, que venceu a medalha de bronze de pares mistos com a sua mulher, na modalidade de curling, perdeu a medalha.

Enquanto a Rússia dizia não acreditar na dopagem do atleta o Comité Olímpico Internacional mostrava-se cauteloso:

"Como sabemos, foi aberta uma investigação. O que posso dizer é o que já disse noutras ocasiões. É sempre, extremamente, dececionante quando estas coisas acontecem", adiantou Mark Adams, porta-voz do COI.

Nadezhda Sergeeva, que terminou em 12º na competição de bobsleigh, pares femininos, também acusou positivo por uso uma substância proibida nos Jogos Olímpicos de Inverno. A atleta russa acabou por admitir o uso de uma substância que terá sido a trimetazidina, um estimulante, e acabou desclassificada.

Para além dos russos também os testes a um dos jogadores da seleção eslovena de hóquei no gelo deram positivo.