Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Cariocas contra intervenção militar no Rio de Janeiro

Cariocas contra intervenção militar no Rio de Janeiro
Direitos de autor
REUTERS/Ricardo Moraes
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A intervenção do exército no Rio de Janeiro preocupa os brasileiros.

Artistas, anónimos e organizações não-governamentais temem que a presença dos militares nas ruas do Estado potencie a violência contra a população das favelas, na sua maioria negros.

Na internet começou a circular um vídeo onde se dão conselhos de como agir, perante as autoridades.

"A gente vai ter vidas negras morrendo cada vez mais. a gente já vive, hoje no Rio de Janeiro uma truculência policial muito grande. Policiais que enfim... Eles atiram e depois tentam saber se as pessoas eram culpadas ou não. O que estamos a ver agora é só uma validação disso", afirma o blogger Spartakus Santiago.

Em 2017, o Rio de janeiro registou mais de 6700 mortes violentas, incluindo mais de uma centena de polícias e 10 crianças, atingidas por "balas perdidas". Os habitantes dos bairros mais pobres do Rio temem ser apanhados numa guerra entre os militares e os líderes dos grupos criminosos que atuam nas favelas.

A intervenção militar no Rio de Janeiro foi decretada após o aumento da violência na Cidade Maravilhosa durante o Carnaval.

O comandante da operação, o general Braga Netto, assegurou que a intervenção do exército "será um laboratório para o resto do Brasil" e que a missão dos militares é a de fortalecer a segurança no Estado do Rio de Janeiro.

"Recuperar a capacidade operativa dos órgãos de segurança pública e baixar os índices de criminalidade aqui no estado do Rio, não só na cidade", sublinha o comandante.

Um dos objetivos é reduzir a corrupção no seio das forças de segurança. Segundo as estatísticas, divulgadas esta semana pelo Ministério Público brasileiro, cerca de 20% das mais de 5200 pessoas denunciadas, nos últimos anos por ligações com o crime organizado, no Rio de Janeiro, são membros das autoridades locais.