Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Ataques em Afrin e Ghouta intensificam fuga de refugiados sírios

Ataques em Afrin e Ghouta intensificam fuga de refugiados sírios
Direitos de autor
REUTERS/Khalil Ashawi
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Milhares de cidadãos sírios estão em fuga no norte e no sul do país, depois de duas ofensivas distintas intensificarem a pressão no confronto que cumpriu sete anos esta semana.

O ataque turco na região de Afrin, no noroeste da Síria, contra uma milícia curda levou já à saída de cerca de 150 mil pessoas nos últimos dias. Mais de 1.500 combatentes curdos morreram desde o início da ofensiva, onde a Turquia tenta expulsar desde 20 de janeiro uma milícia curda, foi hoje anunciado.

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH) precisou que "a maioria dos combatentes foram mortos em ataques aéreos e tiros de artilharia", quando as forças turcas e as milícias sírias aliadas entraram hoje de manhã na cidade de Afrin, onde os combates prosseguem.

A ajuda humanitária das Nações Unidas teve mesmo de intervir para ajudar a população perante os ataques aéreos da Turquia.

Mais a sul, Ghouta, nos arredores da capital Damasco, continua a viver um pesadelo.

A crescente pressão as forças de Bashar Al Assad e da Rússia forçaram a fuga de mais de 30 mil pessoas nos últimos dias e os rebeldes já estarão a negociar com a ONU um novo cessar-fogo.

O aumento dos refugiados em zonas rurais de Damasco obrigou à instalação de novos campos de assistência, onde foram distribuídos sacos com água, comida e medicamentos.

Os contínuos bombardeamentos e o iminente ataque terrestre turco fazem temer um novo drama humanitário num país que entrou no oitavo ano de guerra, da qual já resultaram mais de 350.000 mortos e milhões de deslocados e refugiados, segundo o OSDH.