Russos já votam para as eleições presidenciais

Uma eleitora deposita o seu voto numa urna em Moscovo
Uma eleitora deposita o seu voto numa urna em Moscovo Direitos de autor REUTERS/Gleb Garanich
De  João Paulo Godinho com LUSA
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O ato eleitoral deste domingo deve confirmar o quarto mandato presidencial de Vladimir Putin, que o vai deixar no poder até 2024.

PUBLICIDADE

Os russos já começaram a votar para as eleições presidenciais que devem confirmar a continuidade de Vladimir Putin no poder.

Com 65 anos, o antigo oficial do KGB deverá assumir sem surpresa o quarto mandato presidencial após a sua primeira eleição em 2000, para além de ter assumido o cargo de primeiro-ministro entre 2008 e 2012. Nos primeiros dois mandatos presidenciais Putin cumpriu quatro anos, em cada um, à frente do Kremlin, tendo a duração dos mandatos sido ampliada para seis anos a partir de 2012.

Considerado como claro favorito à vitória, o maior adversário do presidente poderá mesmo ser a taxa de abstenção. Muitos dos 110 milhões de eleitores já dão a reeleição de Putin como garantida e uma fraca afluência às urnas pode afetar a sua autoridade para o próximo mandato.

Na cidade de Petropavlovsk-Kamchatsky, na ponta mais a leste do país, já eram muitos os russos a depositar o seu voto desde as 07h locais, ou seja, mais doze horas do que em Portugal continental. A votação irá decorrer ao longo de 22 horas no vasto território russo, encerrando na região de Kalininegrado, o ponto mais ocidental.

A última sondagem do instituto público VTsIOM dava a Putin 69% das intenções de voto, com larga vantagem face aos restantes candidatos. Pavel Groudinine, do Partido Comunista, está creditado com 7% a 8%, e o ultranacionalista Vladimir Jirinovski deve garantir entre 5% e 6%. Os restantes cinco concorrentes terão resultados residuais.

O grande ausente da eleição presidencial é o opositor “número um” do Kremlin, Alexei Navalny, o único com capacidade de mobilizar dezenas de milhares de pessoas, acusado pelas autoridades de “repetida violação” da lei sobre a organização de manifestações e proibido de concorrer ao escrutínio devido a uma antiga condenação judicial, que considera encenada pelo Kremlin.

Com mais seis anos pela frente, Vladimir Putin prepara-se para ficar praticamente um quarto de século ao comando da Rússia, uma longevidade no Kremlin que fica apenas atrás de Josef Stalin.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rússia aborta lançamento do foguetão Angara-A5 a minutos da descolagem

Rússia e Cazaquistão vivem "piores cheias em décadas"

Centenas de russos protestam contra “inércia” das autoridades após inundações