Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Gustavo Dudamel une os americanos de sul a norte

Gustavo Dudamel une os americanos de sul a norte
Tamanho do texto Aa Aa

Unir culturas e eliminar barreiras. É o mote da digressão americana da Orquestra Filarmónica de Viena.

Sob a batuta de Gustavo Dudamel, uma das maiores celebridades da música clássica, o conjunto austríaco toca em várias cidades do continente americano, de Buenos Aires a Nova Iorque.

A Euronews falou com a estrela venezuelana na cidade do México.

"Acredito numa América una. É por isso que fazemos esta digressão para abarcar todo o continente numa só música. Estou muito feliz por fazer parte deste projeto", disse Dudamel à euronews.

O presidente da Orquestra Filarmónica de Viena, Daniel Froschauer, orgulha-se da colaboração com o maestro venezuelano.

"Esta digressão americana é especial porque é a primeira vez que tocamos com o Gustavo aqui. É especial viajar com ele pela América Latina. Ele tem uma paixão extraordinária pela música e pelo ritmo, está-lhe no sangue", afirmou Daniel Froschauer.

Na cidade do México, no Palácio de Belas Artes, a orquestra Filarmónica de Viena tocou a quarta sinfonia de Tchaikovsky.

"Esta sinfonia está recheada de sons líricos e a orquestra tem essa qualidade, esse som lírico, cremoso, essa beleza no fraseado", sublinhou Dudamel.

"É como se o Tchaikovsky tivesse escrito essa sinfonia para nós: a alternância entre as melodias nas cordas, no solo e nos metais", acrescentou Daniel Froschauer.

"A nossa orquestra dá muita importância ao colorido e ao som", disse Michael Bladerer, diretor da orquestra Filarmónica de Viena.

A relação especial entre a Orquestra Filarmónica de Viena e Gustavo Dudamel perdura há mais de uma década.

"Lembro-me da primeira vez que ele dirigiu a orquestra. Ficámos impressionados com a energia dele. Na segunda vez, foi igualmente espetacular e inesquecível", contou Michael Bladerer.

"Foi uma loucura, e, ao mesmo tempo, ele dirigiu a orquestra de forma extraordinária. Nem teria sido necessário ensaiar. Com uma pessoa como o Gustavo, um maestro fantástico, toda a gente pode entender o que ele diz", considerou Daniel Froschauer.

"Desde o início houve uma relação mágica com a orquestra Filarmónica de Viena. Lembro-me do ensaio da obra de Brahms, pela primeira vez. Saí do ensaio com o coração cheio. Fiquei deslumbrado com o som. Tem sido uma relação intensa. Estou muito orgulhoso dessa relação e muito feliz por fazer parte da família", considerou Gustavo Dudamel.