Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Abdul Fattah Al-Sisi vence eleições com mais de 90% dos votos

Abdul Fattah Al-Sisi vence eleições com mais de 90% dos votos
Direitos de autor
The Egyptian Presidency/Handout via REUTERS
Tamanho do texto Aa Aa

O Presidente do Egito, Abdel Fattah Al-Sisi, venceu com 90% dos votos as eleições presidenciais desta semana, mas a taxa de participação é inferior a 50%, segundo as primeiras estimativas publicadas hoje pela imprensa estatal.

Segundo o diário Al-Ahram, Al-Sisi obteve 92% dos votos e cerca de 23 milhões de pessoas participaram nas eleições, de entre cerca de 60 milhões de eleitores.

O diário estatal Akhbar al-Yaoum e a agência oficial Mena referem números semelhantes.

As eleições decorreram entre segunda e quarta-feira e Al-Sisi tinha a reeleição assegurada após afastar os principais adversários.

A taxa de participação era o principal desafio para o Presidente.

Na quarta-feira, em conferência de imprensa, o porta-voz da Autoridade nacional das eleições, Mahmoud el-Cherif, referiu-se a uma “afluência massiva perante as assembleias de voto”.

Nas eleições de 2014, que decorreram entre 26 e 28 de maio, Al-Sisi, 63 anos, obteve 96,91% dos votos contra Hamdeen Sabahi, com uma taxa de participação de 47,5% segundo os números oficiais, muito contestados pelas oposições que se referiu a uma “farsa”.

Agora, Al-Sisi apenas teve como adversário Moussa Mostafa Moussa, 65 anos, chefe do minúsculo partido liberal Al Ghad, e um fervoroso adepto do regime.

Outros potenciais candidatos, com mais credibilidade, ou foram detidos por violação da lei ou desencorajados a concorrer após forte pressão das autoridades.

Os apelos ao voto dos cerca de 60 milhões de potenciais eleitores foram permanentes, mas historicamente a participação nas eleições é muito baixa no Egito, com exceção das presidenciais de 2012, que elegeram o pró-islamita Mohamed Morsi, e as únicas que decorreram em liberdade e com garantias democráticas, com uma participação de 51,85% na segunda volta.

O ex-Presidente foi afastado num golpe militar em julho de 2013, fomentado por Al-Sisi, que depois assumiu o poder.

Neste contexto, o regime já receava uma elevada taxa de abstenção, podendo descredibilizar as eleições.

Os resultados oficiais só devem ser divulgados na segunda-feira.