EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Embaixador russo nos EUA justifica expulsões ordenadas por Moscovo

Embaixador russo nos EUA, Anatoly Antonov
Embaixador russo nos EUA, Anatoly Antonov
Direitos de autor 
De  Joao Duarte Ferreira
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Entrevistado pela NBC, Anatoly Antonov questiona os verdadeiros motivos por detrás do caso Skripal.

PUBLICIDADE

O caso do envenenamento do antigo espião russo Sergei Skripal, no Reino Unido, originou uma enorme crise nas relações entre a Rússia e o Ocidente.

O embaixador russo nos Estados Unidos, Anatoly Antonov, foi entrevistado pela estação norte-americana NBC.

"Se alguém nos dá uma bofetada na cara, como é que reage? Você pensa no que vai fazer, ou melhor, você vai tentar retaliar. O estado das nossas relações é muito mau. Parece-me que existe muita falta de confiança. Falta de confiança entre os nossos dois países".

O embaixador russo levanta questões sobre os verdadeiros motivos por detrás do caso Skripal.

"Parece-me que a tragédia em Londres serviu apenas de desculpa para criar más relações. Veja só, a expulsão dos diplomatas e o confisco do consulado geral em Seattle. E já agora, tenho aqui um documento... a declaração do secretário de imprensa sobre a expulsão dos funcionários dos serviços secretos russos. Aqui menciona-se o consulado russo em Seattle devido à proximidade a uma base de submarinos assim como à base da Boeing. Então, qual é a ligação com a tragédia em Londres?" questiona o alto funcionário russo.

Esta sexta-feira a Rússia anunciou mais medidas contra diplomatas britânicos assim como a expulsão de diplomatas de 23 países.

Portugal optou por convocar o embaixador luso em Moscovo, Paulo Vizeu Pinheiro, a fim de efetuar consultas sobre o caso Skripal.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rússia chama embaixadores de 23 países para anunciar novas expulsões

Russia Today "desligada" em Washington

Rússia dá "resposta simétrica" aos EUA na crise diplomática