This content is not available in your region

Bruxelas a braços com problema de poluição

Access to the comments Comentários
De  Joao Duarte Ferreira
Detetor de poluição atmosférica
Detetor de poluição atmosférica

Apesar de ser considerada como capital europeia, Bruxelas tem igualmente o mérito duvidoso de ser uma das cidades mais poluídas do continente. Iste deve-se em parte à percentagem elevada de veículos a gasóleo.

"As pessoas têm que ser encorajadas a utilizar os transportes públicos ou a viverem próximo dos empregos"

Joeri Thijs Perito em qualidade do ar, Greenpeace

Equipados com um detetor e uma aplicação no telemóvel, um comité de cidadãos desceu à rua para denunciar os riscos das partículas poluentes para a saúde humana e ensinar as pessoas a medirem a qualidade do ar.

"As pessoas que vivem aqui em Bruxelas próximo aos grandes eixos rodoviários, quando têm filhos entre 2 e 5 anos, estes vão ter mais bronquites, ou irritação crónica dos brônquios. As crianças com menos de seis anos que cresceram na cidade têm mais possibilidades de desenvolver asma e problemas pulmonares de longa duração" afirma Lieving Chemin da Associação Cívica BRAL.

Os dados do governo regional belga não deixam margem para dúvidas. Todos os anos a poluição causa mais de 600 mortes prematuras na capital. A concentração de partículas poluentes por metro cúbico é praticamente o dobro dos valores recomendados pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Tal como acontece em outras cidades europeias antigas, as ruas são estreitas e estão frequentemente congestionadas pelo trânsito. A exposição às partículas finas é muito elevada nas horas de ponta.

"Bruxelas é uma cidade onde trabalham pessoas que vivem nos subúrbios não só da cidade como de outras regiões belgas. Isto é algo que tem que ser resolvido a nível federal e não apenas regional, na Flandres ou Valónia. É óbvio. As pessoas têm que ser encorajadas a utilizar os transportes públicos ou a viverem próximo dos empregos. Isso é algo que Bruxelas não pode fazer sozinha", adianta Joeri Thijs, perito em qualidade do ar da Greenpeace.

Trata-se contudo de uma situação paradoxal para a cidade que acolhe a Comissão Europeia a qual abriu um procedimento de infração contra a Bélgica por não cumprir as normas europeias de qualidade do ar.