Soldados portugueses da I Guerra Mundial homenageados em Inglaterra

Soldados portugueses da I Guerra Mundial homenageados em Inglaterra
De  João Paulo Godinho com LUSA
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A igreja de Twickenham, que o último rei de Portugal, D. Manuel II, frequentou no exílio, passa a contar com dois vitrais com iconografia portuguesa da I Grande Guerra.

PUBLICIDADE

Cem anos depois da batalha de La Lys - o mais trágico episódio de Portugal na I Guerra Mundial, com 400 mortos e quase 7000 prisioneiros - , o Reino Unido inaugurou o seu primeiro monumento de homenagem aos soldados portugueses na I Guerra Mundial.

A igreja de Twickenham, nos arredores de Londres, foi o local escolhido, devido à ligação com o último rei de Portugal, D. Manuel II, que aqui esteve exilado após a proclamação da República, em 1910.

O memorial é um vitral da artista Caroline Benyon, após uma campanha do pároco Ulick Loring para fazer justiça ao aliado mais antigo dos britânicos.

"Nós deviamos ter um memorial permanente aos soldados portugueses mortos na I Guerra Mundial, porque não havia um memorial digno a eles neste país, ainda que descrevamos Portugal como o nosso aliado mais antigo. Por isso, pensei que estavamos a fazer justiça aos portugueses", declarou.

A janela dedicada aos soldados portugueses tem no topo o Arcanjo Miguel, o anjo da guerra, que simboliza os sacrifícios dos portugueses, uma imagem de combatentes nas trincheiras e uma esfera armilar portuguesa.

Ao lado foi inaugurado outro vitral em homenagem a D. Manuel II, que destaca o trabalho humanitário do rei na ajuda aos feridos da guerra.

Foi realizada ainda uma missa, com direito a guarda de honra de veteranos militares britânicos e a presença do embaixador português, Manuel Lobo Antunes.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Notas com cara de Carlos III entram em circulação em junho

As Falklands pertencem ao Reino Unido? Nova sondagem revela que nem toda a gente na Europa está de acordo

Julian Assange inicia última batalha legal no Reino Unido para evitar a extradição para os EUA