Última hora

Última hora

Angola pede ajuda técnica ao FMI

Em leitura:

Angola pede ajuda técnica ao FMI

Angola pede ajuda técnica ao FMI
@ Copyright :
REUTERS/Mike Hutchings/File Photo
Tamanho do texto Aa Aa

Angola avançou esta quarta-feira com um pedido de apoio ao Fundo Monetário Internacional para a coordenação de políticas económicas.

O programa solicitado pelo governo angolano não prevê qualquer ajuda financeira do FMI. O objetivo, segundo o Executivo de Angola, é reforçar a estabilização macroeconómica para os próximos anos e aumentar a credibilidade externa do país.

Este anúncio surge apenas um dia depois de o FMI ter revisto em alta o crescimento de Angola para 2,2% este ano e para 2,4% em 2019. A subida assenta essencialmente na previsão do aumento dos preços do petróleo, um fator decisivo na evolução da economia do país.

De resto, a revisão do FMI está em linha com o que o organismo divulgou sobre outras economias lusófonas.

Para Portugal, a instituição liderada por Christine Lagarde reviu a sua previsão de crescimento do PIB de 2,2 para 2,4% em 2018, uma décima acima da estimativa do governo.

No entanto, o cenário para 2019 é menos otimista, com uma projeção de crescimento de apenas 1,8%.

Também o Brasil viu a sua economia ter uma análise mais positiva, com o relatório Previsões Económicas Mundiais a antecipar este ano um crescimento de 2,3% face aos anteriores 1,9%.

No mesmo sentido, para 2019 a projeção do crescimento do PIB é agora de 2,5%.

Em sentido inverso às outras economias lusófonas, Moçambique viu o FMI rever em baixa as suas estimativas de crescimento. A economia moçambicana não deve este ano ir além dos 3%, face aos anteriormente previstos 5,3%.