EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Comité do Senado confirma interferência da Rússia

O promotor especial Robert Mueller
O promotor especial Robert Mueller
Direitos de autor 
De  Joao Duarte Ferreira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

As revelações surgem após um encontro com antigos altos funcionários dos serviços secretos

PUBLICIDADE

O comité do senado norte-americano encarregado de lidar com os serviços secretos afirma concordar com a avaliação das agências de segurança que concluiram que a Rússia interferiu nas eleições presidenciais norte-americanas de forma a influenciar negativamente a campanha da candidata democrata Hillary Clinton.

O anúncio foi feito na quarta-feira após um encontro com o antigo diretor nacional dos serviços secretos, James Clapper, entre outros antigos funcionários dos serviços de segurança.

"O que estou a dizer é que nas audiências abertas levadas a cabo com os serviços secretos concluímos de forma unânime que os russos tiveram um papel na tentativa de interferência não apenas nas nossas eleições em 2016 mas igualmente nas eleições britânicas, francesas e alemãs", adiantou a senadora republicana do Maine, Susan Collins.

As conclusões do encontro foram confirmadas pelo senador democrata Mark Warner.

"Os russos interferiram muito nas nossas eleições com o objetivo de ajudar Trump e prejudicar Hillary Clinton. Também utilizaram as redes sociais de uma forma nunca antes utilizada", afirmou.

O diretor do comité e os restantes elementos publicaram uma declaração conjunta após um encontro com antigos elementos da administração Obama. Os membors do comité afirmam que o próximo passo é publicar o relatório sobre o resultado das investigações.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Comey diz que Trump é "moralmente inapto"

Putin nega interferência nas Legislativas italianas

Investigação sobre interferência russa na eleição de Trump sem conclusões