Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Estar ou não estar em Cannes

Estar ou não estar em Cannes
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Quando a equipa do filme russo "Leto" pisou a passadeira vermelha em Cannes, o realizador estava lá... mas não fisicamente. O cineasta Kirill Serebrennikov, um vigoroso opositor do presidente russo, Vladimir Putin, encontra-se em prisão domiciliária, enfrentando acusações de corrupção que muitos dizem ser completamente infundadas.

"Ele tem autorização para sair entre as 6 e as 8 da noite, mas só no seu bairro. Tivemos a sorte - quer dizer, não se pode falar de sorte nesta situação -, porque já tínhamos feito a maior parte do filme quando tudo aconteceu. O Kirill conseguiu fazer a montagem em casa e isso foi reconfortante para a equipa de produção", explica o produtor, Ilya Stewart.

Serebrennikov não é o único. Este ano, o realizador Jafar Panahi, do Irão, também na corrida pela Palma de Ouro com "3 Faces", não foi mais uma vez autorizado a sair do país. Um facto que o Festival de Cannes lamenta expressamente.

"A ironia é que se trata de dois filmes que não são políticos. Não são filmes contra os regimes russo ou iraniano. São obras artísticas", declarou Thierry Frémaux, diretor do festival.

A realizadora Wanuri Kahiu, do Quénia, conhece bem a palavra "censura". O seu filme "Rafiki", uma história de amor entre duas mulheres apresentada na secção Un Certain Regard, foi proibido no seu país.

"Não estávamos preocupados, porque respeitámos o espírito da lei. Gostávamos de acreditar que o nosso país é progressista. Gostávamos de acreditar que está a avançar. Quando o filme foi banido, para nós foi como uma violação do nosso direito à liberdade de expressão, tal como nos garante a Constituição", afirma Kahiu.