This content is not available in your region

Comício de Erdogan em Sarajevo provoca polémica

Access to the comments Comentários
De  Luis Guita
euronews_icons_loading
Comício de Erdogan em Sarajevo provoca polémica

Recep Tayyip Erdogan está em Sarajevo para realizar um comício com os emigrantes turcos antes das eleições de 24 de junho.

A campanha do Presidente turco na Bósnia-Herzegovina gerou controvérsia entre alguns políticos sérvios e bósnios que acusam Ancara de se intrometer nos assuntos políticos do país. Argumentam que o comício do AKP não foi concebido apenas para servir o Presidente turco mas também para ajudar o membro bósnio muçulmano da presidência tripartida Bakir Izetbegovic.

"Ele vem aqui porque quer reforçar-se politicamente no seu partido e no seu país, não está aqui por nossa causa. Claro que ele é um Presidente próximo do nosso Bakir Izetbegovic e ajudam-se. Mas duvido que haja alguma ajuda para nós," afirma uma habitante de Sarajevo.

"Eu não sei o que ele espera obter com a sua campanha. Ouvi algumas pessoas dizerem que têm, realmente, uma má opinião sobre ele. Mas não sei porquê. Para mim, o maior problema vai ser o engarrafamento," declarou um jovem de Sarajevo.

A Bósnia-Herzegovina realiza eleições em Outubro e a visita de Erdogan pode vir a ajudar o Partido de Ação Democrática e o seu líder Bakir Izetbegović, considera o analista político Adnan Huskic: "se abordarmos as eleições como um bósnio, o trunfo Turquia é tremendamente importante e, nesse sentido, acho que isto vai dar, certamente, um impulso adicional ao Partido de Ação Democrática de Izetbegovic; talvez à intenção da sua esposa em avançar para a presidência."

Segundo a imprensa bósnia, 20.000 pessoas são esperadas no pavilhão Zetra, onde foram instalados dois cartazes enormes com as fotografias de de Recep Tayyip Erdogan e Ataturk, o primeiro presidente da Turquia.

A escolha de Sarajevo surge após vários países da União Europeia, incluindo a Alemanha, terem impedido a realização de comícios pró-Erdogan antes do referendo Abril de 2017, para reforçar os poderes do Presidente da Turquia. Esse veto provocou fortes tensões entre Ancara e Bruxelas.