Última hora

Última hora

Eurobarómetro: Pertencer à UE é positivo para 60% dos entrevistados

Em leitura:

Eurobarómetro: Pertencer à UE é positivo para 60% dos entrevistados

Eurobarómetro: Pertencer à UE é positivo para 60% dos entrevistados
@ Copyright :
REUTERS/Lisi Niesner
Tamanho do texto Aa Aa

Dentro de um ano, de 23 a 26 de maio, os cidadãos comunitários são chamados a votar nas eleições para o Parlamento Europeu.

"Precisamos de trabalhar muito ao longo do próximo ano para abrir o caminho a um Parlamento pró-europeu"

Antonio Tajani Presidente do Parlamento Europeu

Para avaliar o "estado de espírito", o Eurobarómetro realizou uma sondagem que revelou que 60% dos entrevistados considera que pertencer à União Europeia é positivo. Para 25% é algo neutral e para 12% é negativo.

Questionado sobre se espera um aumento do voto nos partidos eurocéticos, o presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani, disse que "provavelmente sim".

"Mas precisamos de trabalhar muito ao longo do próximo ano para abrir o caminho a um Parlamento pró-europeu. Precisamos de dar boas respostas, porque o problema não é existirem esses partidos, é o facto de muitos cidadãos quererem votar neles", acrescentou.

A sondagem revela que, para cerca de metade dos inquiridos, o projeto europeu precisa de mudanças e que os partidos eurocéticos podem ser motores para encontrar soluções inovadoras.

Este tipo de partidos vai governar em Itália, de onde é nacional Antonio Tajani, que admitiu "não estar contente com que o se passa no país".

O presidente do Parlamento Europeu acrescentou que "quando há uma situação realmente crítica, tal como a da imigração, não houve muita solidariedade europeia para com a Itália, bem como para com outros países".

No que a Portugal diz respeito, a sondagem revela que 65% dos inquiridos consideraram que pertencer à União Europeia é positivo para o país, mas apenas 47% dos entrevistados disse estar interessado nas eleições europeias.

Entre as razões para votarem nas eleições para o Parlamento Europeu, os portugueses apontam em primeiro lugar o seu dever de cidadãos (52%), seguindo-se a vontade de participar na escolha do próximo presidente da Comissão Europeia (37%).

O apoio ao governo nacional vem em terceiro lugar, com 33%. A principal razão para não votarem é a desconfiança no sistema político (59%).