Morreu o aclamado escritor americano Philip Roth (1933-2018)

Natural de Newark, Philip Roth morreu terça-feira em Manhattan
Natural de Newark, Philip Roth morreu terça-feira em Manhattan Direitos de autor REUTERS/Eric Thayer/Arquivo
Direitos de autor REUTERS/Eric Thayer/Arquivo
De  Francisco Marques com reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Eterno candidato ao Nobel da Literautura, que nunca venceu, mas aclamado pela crítica, fica na história como um dos grandes cronistas do século XX

PUBLICIDADE

Foi um recorrente, e para muitos eterno, candidato ao Nobel da Literatura, prémio que nunca ganhou. Philip Roth morreu esta terça-feira, nos Estados Unidos, vítima de doença e rodeado de amigos, revelou o biógrafo Blake Bailey.

Aclamado pela crítica, o escritor norte-americano é descrito como um dos grandes cronistas do século XX e, embora nunca agraciado pela Academia Sueca, colecionou vários prémios ao longo de uma carreira literária iniciada há quase 60 anos com "Adeus, Columbus" (Companhia de Bolso, 1959).

O ponto alto terá sido o Pulitzer conquistado em 1998 pelo livro "Pastoral Americana" (Dom Quixote, 2010, traduzido do original de 1997), que lhe valeu também a Medalha Nacional de Artes da Casa Branca.

Em 2002, recebeu o mais alto galardão da Academia de Artes e Letras, a medalha de Ouro da Ficção. Três anos depois, com "A Conspiração Contra a América", recebeu o prémio da Sociedade de Historiadores Americanos.

Em 2011, recebeu das mãos do então presidente americano Barack Obama a Medalha Nacional de Humanidades pelo contributo na promoção da cultura na América e ainda oi Man Booker International Prize, que premeia a influência de um escritor na literatura.

Em 2012, foi reconhecido em Espanha com o Prémio Príncipe das Astúrias para a Literatura.

No ano seguinte, voltou a ser distinguido na europa, desta feita com a medalha da Ordem da Legião de Honra de França.

Numa das derradeiras entrevistas, em janeiro deste ano, disse ao New York Times que passava agora os dias a ler e já não a escrever.

"Em poucos meses passarei da velhice para a velhice profunda. Acho incrível chegar ao final de cada dia. Quando vou para cama, sorrio e penso: 'vivi mais um dia'. Fascina-me acordar oito horas depois e continuar aqui. Sobrevivi outra noite", dizia então.

Philip Milton Roth nasceu em Newark a 19 de março de 1933. Morreu esta terça-feira em Manhattan, vítima de insuficiência cardíaca. Tinha 85 anos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Homem imolou-se no exterior do tribunal onde Donald Trump está a ser julgado

Agentes da autoridade mortos a tiro no Estado de Nova Iorque

Nova Iorque sacudida por terramoto de 4,8 na escala de Richter, o maior em mais de 40 anos