Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

PSOE apresenta moção de censura contra Rajoy

PSOE apresenta moção de censura contra Rajoy
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) apresentou no parlamento (câmara baixa) uma moção de censura contra o presidente do Governo, Mariano Rajoy, 24 horas depois da sentença no chamado Caso Gürtel.

Quinta-feira, a Justiça espanhola aplicou penas elevadas a uma série de políticos e empresários envolvidos num esquema de corrupção que serviu também para a financiar o Partido Popular (centro-direita, no poder).

O PP foi multado em 245 mil euros por ter beneficiado do esquema , que se baseava em conceder contratos públicos a empresas, em troca de pagamentos.

O registo da moção de censura do PSOE teve lugar antes de o secretário-geral, Pedro Sánchez, informar a direção nacional. Pablo Iglesias, líder do partido Podemos, tinha falado na necessidade de que fosse lançada uma moção, informando que o seu partido a apoiaria.

Iglesias disse também que o Caso Gürtel é a prova de que há "um partido delinquente" no Governo de Espanha. Com o apoio do Podemos a essa moção de censura, todos os olhos estão agora voltados para o partido Ciudadanos.

O presidente Albert Rivera, anunciou que o seu partido iria avaliar o que fazer no resto da Legislatura.

Rivera disse também que a sua relação com o Governo depois da sentença do "caso Gürtel" contra o Partido Popular (PP), que colocou o Executivo e o país em uma situação “tão grave”. "Há um antes e um depois" após a decisão do tribunal, disse Rivera. Antes de saber da notícia da entrega da moção de censura, o vice-secretário de comunicação do PP, Pablo Casado, considerou que esta moção não seguiria em frente, já que "não teria a soma de votos necessária", sem o apoio do Ciudadanos.

Rajoy negou qualquer conhecimento

Mariano Rajoy prestou declarações ao tribunal no âmbito do Caso Gürtel, em julho de 2017, quando declarou que não estava a par dos casos de corrupção quando estes tiveram lugar - a partir de 1999- e que foi ele quem decidiu, em 2004, cortar as relações entre o PP e Francisco Correa, cujas empresas forneciam serviços ao partido.

Correa, considerado o cérebro do Caso Gurtel, foi condenado a mais de 52 anos de prisão. Luís Bárcenas, antigo tesoureiro do PP, a 33 anos de prisão e ao pagamento de uma multa de quatro milhões de euros.

Durante o julgamento, Francisco Correa explicou um esquema em que entregava dinheiro a funcionários públicos políticos eleitos pelo PP, para ajudarem certas empresas a ganharem contratos de direito público.

Mariano Rajoy nunca esteve envolvido diretamente no Caso Gürtel, mas os seus cargos de responsabilidade no PP têm levado os opositores a acusá-lo de ter “fechado os olhos” ao esquema.

Este e outros escândalos de corrupção que envolvem membros do PP contribuíram para que o partido perdesse em dezembro de 2015 a maioria absoluta que tinha no parlamento espanhol.