Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Procurador Federal belga: "há elementos que nos permitem falar de terrorismo"

Procurador Federal belga: "há elementos que nos permitem falar de terrorismo"
Tamanho do texto Aa Aa

O ataque que deixou três mortos em Liège, no leste da Bélgica, é investigado pela Justiça Federal como "assassinato terrorista e tentativa de assassinato". O incidente teve lugar por volta das 10:30 da manhã no centro da cidade da Valónia, não muito longe da fronteira com a Alemanha.

Um homem matou duas agentes da polícia à facada e disparou depois sobre um passageiro de um veículo, um jovem com 22 anos, com uma arma roubada a uma das agentes. Fez depois uma refém numa escola e acabou abatido por agentes da polícia.

Eric van der Spyt, procurador Federal belga, falou aos jornalistas em vários elementos que levaram as autoridades a tomar essa decisão:

"Os primeiros elementos da investigação mostram que talvez façamos frente a um ataque terrorista. São elementos que relacionamos com a forma de atuar de pessoas relacionados com os jiadistas do autoproclamado Estado Islâmico. Na internet, vemos mensagens de com ideias para atacar a polícia com uma faca e roubar as armas de serviço. E pensamos no facto de que o atacante gritou várias vezes 'Allah Akbar'.

Benjamin H, de 36 anos, encontrava-se numa saída precária da prisão de Marche-en-Famenne, a uns 50 quilómetros a sul de Liège. Resta saber se deveria ter sido autorizado a sair. Uma questão que, para o ministro Federal da Justiça belga, Koen Geens, continua por responder:

"A questão é a mesma: será que o facto de se encontrar com pessoas, de participar em orações em grupo é um sinal de radicalização suficiente para ser visto como um terrorista perigoso. A resposta é clara: não. Talvez nos tenhamos enganado, mas a resposta era negativa."

O atacante tinha sido condenado por roubo com violência, por consumo de drogas e por rebelião. Estava previsto que voltasse para a prisão terça-feira ao fim da tarde.