Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Europa ajuda a construir casas anti-sismos no Nepal

Europa ajuda a construir casas anti-sismos no Nepal
Tamanho do texto Aa Aa

Em que ponto está a reconstrução do Nepal depois dos sismos de 2015? É possível acelerar a reconstrução e construir casas baratas e resistentes aos sismos?

Em abril e maio de 2015, o Nepal foi abalado por dois enormes tremores de terra. Nove mil pessoas perderam a vida e cerca de três milhões e meio de pessoas ficaram sem casa.

Hoje, 80% dos habitantes continuam a viver em abrigos temporários. A boa notícia é que recentemente, o ritmo da reconstrução aumentou. 60% das casas deverão estar prontas em breve.

A Euronews viajou até Sindhupalchowk, a zona mais afetada pela catástrofe, onde as Nações Unidas lançaram um programa para ajudar os trabalhadores locais a reconstruírem casas baratas e resistentes aos sismos.

"As coisas mais simples são muitas vezes as melhores. Este arame de ferro parece insignificante mas é um material chave para construir casas anti-sismos nas áreas rurais mais pobres do Nepal", constatou a repórter Monica Pinna.

"Este arame galvanizado é colocado nos dois lados de cada parede. Os fios são ligados um ao outro de forma a criar uma caixa. Quando há um sismo, a casa reage como se fosse um só objeto e a estrutura em arame impede a casa de desmoronar-se. A casa move-se e depois regressa ao sítio, explicou o construtor nepalês Pemba Tamang.

Os profissionais treinados pelo programa das Nações Unidas para o desenvolvimento ajudam os habitantes a reconstruírem as casas de forma barata e eficaz. O governo financia uma parte da reconstrução mas os proprietários devem pagar o resto e supervisionar a obra.

"Depois do tremor de terra, emprestaram-me ferro e pedi a familiares para me ajudarem a construir este abrigo temporário onde tenho vivido desde então. No ano passado, recebi a primeira parte do subsídio para construir a minha nova casa", contou Dil Bahadur Thapa.

O papel da Ajuda Humanitária da UE

O Serviço de Ajuda Humanitária da União Europeia é outra das instituições envolvidas na reconstrução das casas, no Nepal, ao lado das Nações Unidas.

"Neste distrito, foram construídas trinta casas-modelo com as tecnologias anti-sismos que queremos promover, o que permitiu também formar trabalhadores locais. Formámos 283 construtores, incluindo sessenta mulheres", explicou Pravakar Thapa, coordenador local do programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento.

Os representantes ao serviço da ONU viajam pelas zonas rurais do Nepal para darem conselhos técnicos aos habitantes e garantir que a construção das casas respeita a legislação.

"Foi útil conhecer melhor as técnicas porque estou a reconstruir a casa do meu irmão", disse Siddi Bahadur Thapa, uma das vítimas do sismo de 2015.

Após os sismos no Nepal, o Serviço de Ajuda Humanitária da União Europeia investiu 14 milhões de euros para responder às situações de emergência e comprometeu-se a continuar a ajudar o país.

"O governo identificou cerca de vinte mil pessoas que não podem reconstruir as casas por problemas de saúde ou deficiências ou porque são muito idosas. Nós temos de ajudar a reconstruir a casa dessas pessoas. Senão elas vão continuar nos abrigos temporários onde já se encontram há três anos ou vão contrair enormes dívidas para reconstruírem as casas. Por isso trata-se de uma emergência humanitária", explicou Pierre Prakash, responsável da Ajuda Humanitária da União Europeia.

Para garantir que toda a população tenha um teto, o Nepal precisa ainda de mais 800 milhões de euros.

AID ZONE NEPAL