EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

António Costa e Pedro Sánchez mostram coesão em Lisboa

António Costa e Pedro Sánchez mostram coesão em Lisboa
Direitos de autor 
De  Nara Madeira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Uma Europa unida face aos desafios que tem pela frente, não esquecendo que os migrantes são pessoas que precisam de apoio, foram algumas das questões debatidas pelos primeiros-ministros português e espanhol, em Lisboa.

PUBLICIDADE

Depois da maratona em Bruxelas, como lhe chamou António Costa, os primeiros-ministros português e espanhol encontraram-se, pela primeira vez, em Lisboa. 

Antes da Cimeira Ibérica que decorre, em Espanha, no próximo semestre, António Costa e Pedro Sánchez debateram questões Ibéricas mas também a crise migratória na Europa:

"A Europa tem de fazer um grande esforço para superar as divisões que a têm vindo a minar e onde o tema das migrações tem sido um fator de divisão claro. A única forma de superarmos essa divisão é, em primeiro lugar uma grande firmeza na defesa dos valores comuns da Europa, os valores que são o fundamento da Europa, o primeiro dos quais tem a ver com a dignidade da pessoa humana e começarmos por não esquecer que, antes de mais nada, os migrantes são pessoas humanas. Em segundo lugar um princípio de solidariedade. Solidariedade na defesa da nossa fronteira externa que é comum, solidariedade na partilha das responsabilidades de assegurar proteção internacional a quem dela carece, cientes de que não pode ser a Grécia, Itália, Malta ou a Espanha, porque estão mais próximo dos locais de entrada dos refugiados, a assumir, exclusivamente, uma responsabilidade que tem de ser dos 28 Estados-membros da União Europeia”, explicou, aos jornalistas o chefe do executivo português.

Para Pedro Sánchez o seu homólogo espanhol, a Europa pode superar a atual crise mas é preciso ação:

"O que aprecio, desde há muito tempo, em António Costa, e que nós também pusemos em cima da mesa no passado 28 e 29 de junho, em Bruxelas, foi uma atitude construtiva, leal à União Europeia. Isso não significa condescendência ou aceitação de tudo o que querem as instituições comunitárias, creio que a lealdade significa também dizer, claramente, as coisas. Nesse sentido, nós temos uma atitude muito construtiva, muito integradora, sobre o que tem de ser um projeto comum que precisa, agora, de ser reforçado. É verdade que há dinâmicas nacionais que, aparentemente, podem debilitá-la mas eu acredito que o projeto da União Europeia, apesar das suas dificuldades, da sua complexidade, é muito mais resiliente do que muitos desejariam. A solução não são os egoísmos nacionais, as respostas unilaterais, porque somos demasiado pequenos em relação aos desafios que temos pela frente e que são globais.

Editor de vídeo • Nara Madeira

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Espanha faz primeira visita oficial a Cuba 32 anos depois

Emmanuel Macron e António Costa debatem a Europa em Lisboa

Portugal recebe migrantes do Lifeline