Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Parlamento chumba projeto do PAN para abolir corridas de touros em Portugal

Parlamento chumba projeto do PAN para abolir corridas de touros em Portugal
Direitos de autor
REUTERS/Rafael Marchante
Tamanho do texto Aa Aa

O parlamento rejeitou hoje um projeto de lei do PAN (Pessoas-Animais-Natureza) para abolir as corridas de touros em Portugal, diploma que teve ainda o apoio do Bloco de Esquerda, PEV, oito deputados socialistas e um social-democrata.

Votaram contra a iniciativa legislativa apresentada e defendida em plenário pelo deputado André Silva, do PAN, a bancada do PSD, a maioria dos deputados socialistas, o CDS-PP e o PCP.

Contrariando o sentido de voto da maioria da bancada do PS, oito deputados socialistas estiveram ao lado do diploma do PAN: Pedro Delgado Alves, Rosa Albernaz, Ana Passos, Luís Graça, Diogo Leão, Hugo Carvalho, Tiago Barbosa Ribeiro e Carla Sousa.

Também o deputado social-democrata Cristóvão Norte se juntou, com o voto favorável, ao diploma pela abolição das corridas de touros em Portugal.

Optaram pela abstenção o deputado social-democrata Matos Correia, Carlos Matias do Bloco de Esquerda e 12 deputados socialistas, entre eles Paulo Trigo Pereira, Alexandre Quintanilha, Ivan Gonçalves, Sónia Fertuzinhos, Luís Soares, Porfírio Silva, Filipe Neto Brandão, Elza Pais, João Torres, Carla Tavares e André Pinotes Batista.

Numa declaração de voto distribuída aos jornalistas, os deputados independentes do PS Alexandre Quintanilha e Paulo Trigo Pereira defenderam que "ser coerente com a abolição imediata das touradas exigiria defender para os portugueses a obrigatoriedade do vegetarianismo, pois qualquer alimentação de base animal associa-se a maus tratos a animais".

"Consideramos que é possível conciliar um valor inestimável (a não crueldade aos animais) com a manutenção de valores culturais associados às touradas, restringindo-as às práticas em que existe relação de igualdade entre toureiros/forcados e touro (caso da pegas de caras e toureio a pé) e em que se assegura o bem-estar animal. Este é o caminho do processo civilizacional que pode ser percorrido para conciliar a manutenção de um património cultural com o bem-estar animal, sem o qual as touradas devem ser abolidas no futuro", acrescenta-se na mesma declaração de voto.

Esta votação foi antecedida por um debate tenso, colocando de um lado o deputado do PAN André Silva e, sobretudo, o Bloco de Esquerda que se posicionaram "contra a violência dos animais" e "contra a cultura do massacre" dos touros.

Do outro lado, o PCP, mas sobretudo o CDS, defenderam o respeito pela tradição cultural das comunidades locais e pela preservação dos postos de trabalho ligados à atividade tauromáquica.