"Isso foi durante a administração Obama, não durante a minha!"

"Isso foi durante a administração Obama, não durante a minha!"
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Donald Trump desmente as acusações de influência russa nas eleições que o elegeram

PUBLICIDADE

Mal aterrou na Escócia, Donald Trump não perdeu tempo e partilhou no Twitter a primeira reação ao escândalo que saiu no final desta semana - 12 espiões russos foram acusados de pirataria informática durante as eleições de 2016, eleições que elegeram Donald Trump.

O presidente norte-americano desmentiu a acusação feita pelo Tribunal Federal dos Estados Unidos e "atirou a bomba" para cima de Barack Obama.

No Tweet pode ler-se: "As histórias que ouviram sobre os 12 russos ontem ocorreram durante o governo Obama, não durante a administração Trump." O presidente norte-americano continuou: "Porque é que eles não fizeram algo na altura, especialmente quando foi relatado que o presidente Obama foi informado pelo FBI em setembro, antes das eleições?"

Minutos antes, Donald Trump tinha twittado a chegado a Glasgow, onde referiu o encontro com Vladimir Putin, que é já esta segunda-feira, em Helsínquia. Escreveu: "Cheguei à Escócia e estive em reuniões durante dois dias, chamadas e, com sorte, um pouco de golfe - A minha principal forma de exercício! O tempo está lindo e este lugar é incrível! Amanhã vou a Helsínquia para uma reunião na segunda-feira com Vladimir Putin.".

Onde quer que vá, Donald trump já está habituado a ser recebido com protestos.

A receção em Glasgow não foi diferente, onde milhares de pessoas decidiram receber o líder norte-americano com cartazes contra as políticas norte-americanas. Também há protestos marcados para a tarde, em Edimburgo. 

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

EUA acusam 12 espiões russos por pirataria informática

Centro de Londres enche-se com protestos anti-Trump

Trump critica diretamente a estratégia de May para o Brexit