Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Rússia acusa Senado norte-americano de histeria

Rússia acusa Senado norte-americano de histeria
Tamanho do texto Aa Aa

A Rússia acusou o Senado norte-americano de histeria, um dia depois de um grupo de republicanos e democratas ter apresentado uma proposta de novas sanções.

A histeria nos últimos dois anos (...) ridiculariza todo o sistema político dos EUA

Maria Zakharova Porta-voz, Min. Neg. Estrangeiros, Rússia

Em causa está a interferência nas eleições presidenciais que levaram à vitória de Donald Trump.

"A histeria nos últimos dois anos sobre uma alegada interferência russa nas eleições - que nunca aconteceu - não apenas prejudica as relações bilaterais, mas ridiculariza todo o sistema político dos EUA", disse Maria Zakharova, porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo, sexta-feira, numa declaração à imprensa.

Apesar de Trump estar apostado em melhorar as relações com o seu homólogo, Vladimir Putin, com quem já teve uma primeira cimeira, há muitas vozes que continuam céticas.

É o caso do diretor do FBI, Christopher Wray, que defende um estado de alerta permanente: “Esta ameaça não vai desaparecer. Como tenho dito, constantemente, a Rússia tentou interferir nas últimas eleições e continua a levar a cabo, até hoje, operações com influência maligna".

"Esta é uma ameaça que devemos levar muito a sério e responder de forma assertiva e determinada", acrescentou.

O projeto de lei inclui restrições a novas transações de dívida soberana russa e a projetos no setor energético.

Estão, ainda, previstas sanções contra figuras da política e economia.

Para entrarem em vigor, as sanções terão de ser aprovadas em plenário e, de seguida, receber a assinatura do presidente Donald Trump.

Nesse caso, serão um dos pacotes mais duros a aplicar contra a Rússia e marcarão um dos pontos mais baixos nas relações entre os antigos inimigos da Guerra Fria.

O golpe seria forte, apesar da Rússia ter uma das mais baixas dívidas do mundo e um aforro de quase meio bilião de dólares americanos em reservas, graças às enormes receitas da exportação de petróleo e gás.