Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Presentes a tribunal membros da oposição zimbabueana

Presentes a tribunal membros da oposição zimbabueana
Tamanho do texto Aa Aa

Vários membros do Movimento para a Mudança Democrática (MDC, sigla em inglês), o principal partido da oposição no Zimbuabué apresentaram-se em tribunal, acusados de incitação à violência, no quadro dos protestos que se seguiram às eleições gerais no país da África Austral.

Falta, no entanto, uma acusação formal por parte do Procurador de Harare. De acordo com a agência Reuters, os 27 membros do MDC foram detidos na quinta-feira.

Se condenados, poderão enfrentar uma pena de prisão de até 10 anos.

Os advogados disseram aos jornalistas que todos eram inocentes das acusações e que tudo o que tinham feito era prestar informações acerca dos resultados eleitorais nas províncias onde pertencem.

A Justiça, no entanto, refere a existência de testemunhas, prontas a declarar.

Pelo menos seis pessoas morreram em confrontos entre manifestantes e as forças do Governo, quando o exército assumiu o controlo das ruas do centro de Harare, numa tentativa de controlar os protestos contra a vitória do presidente Emmerson Mnangagwa, do partido União Nacional Africana do Zimbabwe - Frente Patriótica (ZANU-PF, sigla em inglês).

Depois das eleições gerais de segunda-feira passada, tanto o resultado do escrutínio como a reação das autoridades perante os protestos, criaram um clima de tensão e desconfiança em todo o Zimbuabué.

Sexta-feira, o presidente Mnangagwa pediu união aos zimbabueanos, enquanto Nelson Chamisa, o segundo candidato mais votado e líder da oposição, insistiu em que o MDC tinha ganho as eleições.

Foram as primeiras eleições num país devastado por crises económicas sucessivas e por pesadas sanções internacionais, depois de quase quatro décadas de Governo do antigo presidente Robert Mugabe.

O escrutínio era visto como uma tentativa para melhorar a imagem do Zimbuabué, depois de ter sido dirigido por mão de ferro por Robert Mugabe.

A invasão da sede do MDC e a dispersão dos jornalistas antes de uma conferência de imprensa de Nelson Chamisa, na sexta-feira, parecem ter contribuído para o fracasso dessa tentativa de mudança de imagem.

Os observadores internacionais dizem que o escrutínio teve vários problemas, incluindo a cobertura tendenciosa da parte dos media Estatais e atitude pouco claras da parte da ZEC, a comissão eleitoral do Zimbabué.