Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Autarca grego acusa bombeiros

Autarca grego acusa bombeiros
Tamanho do texto Aa Aa

Na Grécia, duas semanas após o incêndio mortífero e devastador, enquanto o Governo e as autoridades locais começaram a demitir-se, sobreviventes e parentes das vítimas exigem respostas.

O presidente da Câmara de Rafina, município onde se encontra aproximadamente metade da área atingida pelo incêndio, diz que havia um plano de evacuação atualizado que não foi executado porque o Corpo de Bombeiros nunca deu uma ordem de evacuação.

''Acredito que o corpo de bombeiros é verdadeiramente culpado, e isso é algo que será provado pela investigação. Alguns estão a tentar fugir às responsabilidades, dando a entender que informaram as autoridades locais. Essas alegações não são verdadeiras. Temos todas as provas de que são mentirosos,'' afirmou o presidente da Câmara de Rafina, Vangelis Bournous, em entrevista à Euronews.

O autarca fala também de casas construídas legalmente mas com muros e vedações ilegais, o que dificultou o acesso das pessoas ao mar.

"O crime foi cometido pelas pessoas que construíram casas legais ao longo da estrada costeira. De acordo com a lei, eles construíram legalmente, mas estas autorizações para construir não lhes davam a autorização para construir vedações de qualquer tipo. É por isso que eles construíram hotéis e casas bonitas ao longo da estrada. Se construirmos com estas características nestas áreas, teremos uma tragédia como a que aconteceu," acrescentou o autarca de Rafina.

Pelos menos 90 pessoas perderam vida em consequência dos incêndios de 23 de julho

''O objetivo das autoridades locais e do Governo é restaurar as áreas atingidas pelo fogo dentro de um ano, mas sem os muros e vedações que dificultaram o acesso à praia. Os muros que ainda estão de pé, terão de ser derrubados," revelou a jornalista da Euronews, Fay Doulgkeri.