Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

"O pedido de ajuda financeira de Angola ao FMI não é tão grave como o português"

"O pedido de ajuda financeira de Angola ao FMI não é tão grave como o português"
Direitos de autor
reuters
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O Presidente de Angola, João Lourenço, considerou esta quinta-feira que os programas do FMI “não são todos iguais”, realçando que o pedido de financiamento angolano não tem a gravidade do português.

" Os programas do FMI não são todos iguais. Não estamos a falar de um resgate como o que aconteceu em Portugal (...)"

João Lourenço Presidente de Angola

No final da visita oficial à Alemanha, João Lourenço revelou que Angola vai beneficiar do financiamento do Fundo Monetário Internacional “em condições melhores que o crédito de outros bancos, bancos comerciais”. “Vamos ganhar com isso, não temos receio, sabemos que quando se fala de FMI têm-se a ideia de que é um bicho papão de que é preciso ter cuidado. Depende. Os programas do FMI não são todos iguais. Não estamos a falar de um resgate como o que aconteceu noutros países europeus, como Portugal ou a Grécia. Não é disso que se trata, é um outro tipo de ajuda financeira, que não tem a gravidade que tem um programa de resgate”, esclareceu o chefe de Estado angolano aos jornalistas.

O Ministro angolano das Finanças, Archer Mangueira, admitiu, à imprensa esta quinta-feira, que o valor da ajuda que Angola pretende negociar com o FMI rondará os 4,5 mil milhões de dólares.

O Presidente angolano vai reunir-se com o FMI em outubro. João Lourenço espera “consolidar este casamento entre esta nova Angola e o FMI”, e acrescenta que espera receber a presidente do Fundo Monetário Internacional em Luanda “no próximo mês de dezembro”.

O chefe de Estado de Angola disse no parlamento europeu, no passado mês de julho, que o país estava numa cruzada contra a corrupção e João Lourenço acredita que os primeiros resultados “já se começaram a sentir”. “Pelo facto de a comunidade internacional ter constatado já que o que nós dissemos é para levar a sério, não é brincadeira nenhuma, começámos a receber os primeiros sinais: conseguimos a emissão de ‘eurobonds’ e, mais recentemente, o acordo de financiamento do FMI. Isto só acontece quando há o reconhecimento de que há um progresso real, um conjunto de medidas, não apenas da corrupção, mas outras medidas, que levam essas instituições internacionais a acreditar em Angola”, adiantou João Lourenço.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) confirmou na terça-feira ter recebido um pedido do Governo de Angola para o início de discussões de um programa económico ao abrigo do Programa de Financiamento Ampliado (Extended Fund Facility – EFF). A medida, cujas negociações começarão em outubro próximo em Luanda, no quadro de nova missão, visa o apoio do FMI às políticas e reformas económicas definidas no Programa de Estabilização Macroeconómica (PEM) e no Plano de Desenvolvimento Nacional (PDN) de 2018 a 2022.