Última hora

Última hora

Especialistas da ONU falam de possíveis crimes de guerra no Iémen

Em leitura:

Especialistas da ONU falam de possíveis crimes de guerra no Iémen

Especialistas da ONU falam de possíveis crimes de guerra no Iémen
Tamanho do texto Aa Aa

Um relatório divulgado hoje, citado pela agência de notícias Efe, o grupo de especialistas internacionais e regionais para o Iémen, criado pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU em 2017, refere que ambas as partes e a coligação árabe cometeram violações do Direito Internacional que "podem equivaler a crimes de guerra".

Os especialistas da ONU investigaram as violações e os abusos cometidos no Iémen desde setembro de 2014, quando os rebeldes Houthis tomaram Sanaa e as províncias no norte e oeste do país e expulsaram o Governo da capital.

O conflito intensificou-se em março de 2015 com a entrada da coligação árabe, apoiada pelos Estados Unidos.

"Indivíduos no Governo e na coligação, incluindo a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos, podem ter realizado ataques que violam o princípio de distinção, proporcionalidade e precaução e podem equivaler a crimes de guerra", afirmou o grupo de especialistas.

O relatório menciona que os ataques aéreos da coligação provocaram a maioria das mortes de civis como consequência direta dos bombardeamentos "contra áreas residenciais, mercados, funerais, casamentos, prisões, navios civis e até mesmo centros médicos".

Segundo o Gabinete das Nações Unidas para os Direitos Humanos, desde março de 2015, cerca de 6.660 civis morreram na guerra e 10.563 ficaram feridos, embora "o número real seja provavelmente significativamente maior", salientam os especialistas da ONU.

De acordo com os especialistas, as forças pró-governamentais e a coligação também podem ter cometido crimes de guerra por terem recorrido a "tratamento cruel e tortura, atos degradantes, violações e o recrutamento de crianças com idade inferior a 15 anos ou tê-las usado como parte ativa nas hostilidades".

Os especialistas indicaram a existência de repetidas informações sobre o uso de crianças a partir dos oito anos em ambos os lados do conflito armado.

O grupo de investigadores da ONU também culpa o Governo e os seus parceiros pela detenção arbitrária, a privação ilegal do direito à vida, desaparecimentos forçados e violações da liberdade de expressão e dos direitos económicos, sociais e culturais.

Do lado das "autoridades de facto", isto é, os houthis nas áreas que controlam, também houve possíveis crimes de guerra, idênticos, indicou o grupo de investigadores.

Os especialistas da ONU destacam ainda que os rebeldes cometeram "sérias restrições à liberdade de expressão e religião".