A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Ataque no Iémen provoca dezenas de mortos

Ataque no Iémen provoca dezenas de mortos
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

No Iémen, dois ataques ocorridos na quinta-feira contra a cidade portuária de Hodeida provocaram dezenas de mortos. Os rebeldes Houthi, que controlam a vila estratégica, apontam o dedo à coligação liderada pela Arábia Saudita. Riade contudo rejeita as acusações e acusa os rebeldes de estarem por detrás da ofensiva.

"Não existe um plano de contingência que proteja de forma eficaz a população civil"

John Ging OCHA

A cidade portuária de Hodeida é um ponto de passagem estratégico na região.

O ataque tem lugar numa altura em que as Nações Unidas estão a tentar garantir um acordo de cessar-fogo entre as partes implicadas no conflito.

O mediador da ONU para o Iémen anunciou na quinta-feira que pretende convidar as partes implicadas no conflito para conversações em Genebra, em setembro.

O diretor do Gabinete da ONU para Assitência Humanitária, John Ging, afirmou em Nova Iorque que o aumento das hostilidades iria ter consequências desastrosas.

"A continuação das hostilidades em Hodeida, a interrupção das operações portuárias ou o cerco à cidade seriam uma catástrofe e devem ser evitadas. Não existe um plano de contingência que proteja de forma eficaz a população civil das consequências humanitárias caso o conflito venha a subir de intensidade. A capacidade das organizações internacionais para responder seria rapidamente esgotada", adiantou Ging.

O conflito no Iémen já provocou mais de 10 milhares de mortos. A intervenção da coligação liderada pela Arábia Saudita em março de 2015 provocou o que a ONU descreve como "a pior crise humanitária a nível mundial".

O Iémen depende de importações para 90% das necessidades alimentares. 70% das mercadorias transitam pelo porto de Hodeida.