Última hora

Última hora

Os refugiados sírios do vale do Beca

Em leitura:

Os refugiados sírios do vale do Beca

Os refugiados sírios do vale do Beca
Tamanho do texto Aa Aa

Nos últimos sete anos, a população do vale do Beca, no Líbano, duplicou. Cerca de meio milhão de pessoas atravessaram a fronteira para escapar à guerra no país vizinho, a Síria, e fizeram do vale do Beca a sua nova casa. Alguns estão na região há tantos anos que não se recordam da terra onde nasceram.

O Líbano recebeu mais refugiados per capita do que qualquer outro país do mundo. De acordo com actores internacionais presentes na região, o passado difícil do país é pelo menos parte da razão porque os libaneses estão tão dispostos a ajudar.

"As pessoas são muito cautelosas com tudo o que se relaciona com situações de conflito, porque sabem o que é o conflito e tentam não transpor e respeitar a condição dos refugiados. Nos sessenta anos de história do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados nunca vimos nada semelhante," afirmou um representante do Alto Comissariado.

"Em geral, penso que as autoridades libanesas têm feito um excelente trabalho a lidar com uma situação tão difícil como esta e merecem aplauso,” acrescentou.

Riyad Sahouan é um dos membros da administracão local envolvidos no acolhimento de refugiados sírios na vale do Beca. Para ele, ajudar pessoas carenciadas não é um trabalho mas sim um dever moral.

"Como ser humano, sinto empatia por estas pessoas. Ao ver como vivem, sente-se a dor que têm. Tento partilhar a minha aldeia e ajudá-los tanto quanto possível,” explicou Ryiad Sahouan.

Com o regime de Bashar al-Assad perto da vitória, milhares de sírios estão agora a regressar ao seu país. Mas muitas das pessoas afirmam não ter nada para onde voltar no país que um dia foi a sua casa.