Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Exército em Roraima: Governo descarta fechar fronteira com Venezuela

Exército em Roraima: Governo descarta fechar fronteira com Venezuela
Tamanho do texto Aa Aa

Mais de três mil soldados serão responsáveis pela segurança na fronteira entre o estado brasileiro de Roraima (norte) e os estados venezuelanos de Bolívar e Amazonas. De acordo com a Agência Brasil, os militares terão como funções incrementar a segurança, ampliar a proteção nos abrigos e atuar em conjunto com a Polícia Federal (PF) e a Polícia Rodoviária Federal (PRF).

O ministro da Defesa, o general Joaquim Silva e Luna disse, em entrevista ao programa de rádio Voz do Brasil, da EBC, que o objetivo é também que os imigrantes tenham acesso a orientações e assistência humanitária ao chegar ao país.

O decreto presidencial que autoriza o envio de membros do exército para Roraima foi publicado no Diário Oficial da União. A operação dura até dia 12 de setembro.

A medida ocorre uma semana depois de um grupo de habitantes da cidade de Pacaraima terem expulsado grupos de migrantes e destruído os seus pertences, depois de um assalto, alegadamente cometido por um grupo de venezuelanos.

Cerca de 1200 pessoas foram obrigadas a deixar a localidade. As imagens dos migrantes a recolher o que tinham com eles enquanto os habitantes de Pacaraima cantavam o hino brasileiro correram o mundo.

O Governo Federal diz que entre 600 e 700 venezuelanos passam pela fronteira todos os dias e que entre 20% a 30% ficam em território brasileiro.

Uma crise humanitária sem fim à vista

A Polícia Federal calcula que tenham entrado no Brasil quase 130 mil venezuelanos entre 2017 e os primeiros seis meses deste ano, ainda que mais de metade tenha deixado território nacional.

Muitos dos migrantes venezuelanos seguem caminho para outros países hispanos e procuram refúgio em países como a Colômbia, o Equador ou o Perú. Por agora, a crise não dá sinais de abrandar.

Quarta-feira, a Presidência da República esclareceu que o Governo não tem a intenção de limitar a entrada de venezuelanos nem de fechar a fronteira. Esse era, no entanto, o desejo de algumas instâncias estaduais de Roraima.

Anteriormente, o presidente Michel Temer falou na possibilidade de estabelecer um mecanismo de distribuição de senhas. A Presidência esclareceu também que o mecanismo, sugerido pelo presidente, seria uma forma de melhorar o atendimento humanitário na região.