Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Irão, Rússia e Turquia: Há entendimento, mas sem cessar-fogo à vista para a Síria

Irão, Rússia e Turquia: Há entendimento, mas sem cessar-fogo à vista para a Síria
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Rússia, Turquia e Irão chegaram a um entendimento sobre o rumo a tomar a respeito da Síria, mas sem acordo para um cessar-fogo. Esta cimeira em Teerão aconteceu nas vésperas de um esperado ataque a Idlib, considerado o último bastião rebelde, e teve como objetivo evitar um banho de sangue. Acabou com uma declaração conjunta com três pontos: Alcançar a paz, chegar à democracia e criar um ambiente seguro para o regresso dos refugiados. O Irão pede também o fim da intervenção norte-americana: "A presença dos Estados Unidos, que tem levado à continuação da instabilidade, tem de terminar imediatamente", disse o presidente Hassan Rouhani.

Os três países têm, à partida, posições diferentes e há divergências que persistem. Enquanto o Irão e a Rússia são aliados próximos do presidente sírio Bashar el-Assad, a Turquia é contra Assad, apoia alguns grupos rebeldes e está também contra os curdos. Para Putin, a prioridade é desalojar os rebeldes de Idlib: "A principal tarefa, nesta altura, é expulsar os grupos armados de Idlib. A presença deles é uma ameaça à segurança dos cidadãos sírios e aos residentes de toda a área", disse o presidente russo.

Já a necessidade de proteger os civis é um ponto unânime. Recep Tayyip Erdoğan teme, sobretudo, uma chegada em massa de novos refugiados sírios à Turquia: "Temos, neste momento, três milhões e meio de refugiados sírios e a população de Idlib é também de três milhões e meio. A Turquia não tem recursos nem capacidade para duplicar o número de refugiados e precisamos de evitar que haja mais migração vinda desta zona", disse o presidente turco.

Idlib tem sido o destino de muitos dos refugiados internos que fogem de outras zonas em conflito na Síria. O ataque em preparação pode ter consequências desastrosas, até porque a população civil serve de escudo humano aos grupos armados. Só uma deposição das armas por parte dos rebeldes pode agora evitar um massacre.