Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Rússia e Hungria aproximam-se

Rússia e Hungria aproximam-se
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Debaixo do fogo da União Europeia o presidente húngaro procura outros aliados. Viktor Orbán encontra-se, esta terça-feira, em Moscovo com o presidente russo Vladimir Putin. Uma deslocação que interessa também a Moscovo. O chefe de Estado russo considera a União Europeia um rival estratégico, pelo que a aproximação à Hungria, que vê crispadas as relações no seio da UE devido à crise migratória, é interessante na sua tentativa de enfraquecer as políticas comuns:

"Há forças políticas na Europa que estão a voltar-se para a Rússia, procuram uma alternativa a essa ideologia e cultura globalista. E não apenas a Hungria, isso está a acontecer com parte da sociedade francesa, na Alemanha, em Itália. Mas a Hungria tem procurado, de forma muito consistente, uma política de defesa dos interesses nacionais, para a Rússia isso é muito importante, porque também estamos a defender os nossos interesses nacionais", afirma Andrey Sidorov responsável pelo departamento de organizações internacionais e processos políticos globais da Universidade estatal de Moscovo.

Para um analista húngaro o seu país não é mais do que uma arma nas mãos de Moscovo:

"Naturalmente, a Rússia e a Hungria têm relações fora do comum. Como a agência de notícias russa Sputnik apontou, a Hungria e Viktor Orbán servem como um aríete nas mãos de Moscovo e Putin contra as sanções europeias e contra a própria União Europeia", adianta Péter Krekó, analista do Political Capital.

Viktor Orbán, ao lado de Matteo Salvini ou Marine Le Pen, é um dos líderes políticos que querem o levantamento das sanções europeias contra a Rússia, país que tem vindo a aumentar, desde 2014, o apoio à Hungria.