Última hora

Última hora

Ativista do grupo Pussy Riot terá sido muito provávelmente envenenado

Ativista do grupo Pussy Riot terá sido muito provávelmente envenenado
Tamanho do texto Aa Aa

A equipa médica do hospital Charité em Berlim divulgou hoje que o ativista Pyotr Verzilov terá sido muito provávelmente envenenado.

Até ao momento a substância reponsável pelo envenenamento não foi identificada, mas os médicos afirmaram que esta pertence a uma família de substâncias que não poderia ter sido ingerida pela vítima a não ser através do envenenamento, fosse através de alimentos, de medicação ou de consumo de drogas.

A equipa acrescentou que o membro do grupo ativista Pussy Riot está fora de perigo, mas continua nos cuidados intensivos. Tendo recuperado os sentidos e a capacidade motora, os médicos mostraram-se cautelosos mas optimistas quanto à melhoria do estado de saúde da vítima.

A equipa médica estimou também que a substância se encontra no organismo de Pyotr Verzilov há cerca de uma semana.

O ativista adoeceu na terça-feira em Moscovo depois de uma audiência em tribunal, tendo sofrido convulsões e perdido rápidamente a visão e a audição. Depois de receber cuidados nos serviços de urgência em Moscovo, foi transferido de avião no sábado para Berlim.

Pyotr Verzilov tem 30 anos, é russo-canadiano e casado com Nadezhda Tolokonnikova, também ativista do Pussy Riot. Pyotr Verzilov é também o editor de uma agência de notícias focada em violações de direitos humanos por parte do sistema penal russo.

É mais conhecido por ser um dos membros que invadiram o relvado durante a final do Campeonato do Mundo de Futebol em julho, tendo passado na ocasião duas semanas na prisão.