Última hora

Última hora

Há mais um milhão de crianças em risco de fome

Em leitura:

Há mais um milhão de crianças em risco de fome

Há mais um milhão de crianças em risco de fome
Tamanho do texto Aa Aa

Há mais um milhão de crianças em risco de fome no Iémen, alerta um novo estudo da organização não-governamental britânica Save the Children (em português, "Salvem as Crianças").

A atualização eleva o número de crianças em risco de fome no Iémen para os 5,2 cinco milhões.

De acordo com o estudo, a redução nas importações de bens e combustíveis está a agravar o acesso das famílias a alimentos básicos e ao transporte de crianças doentes para postos médicos.

A situação ameaça agravar-se devido ao aumento dos combates na cidade costeira de Hodeida, principal porta de entrada de bens e assistência médica para cerca de oitenta por cento da população.

O porto comercial de Hodeida é o maior do Iémen. O risco de vir a ficar danificado pelos combates ou até de vir a ter de suspender a atividade, promete estrangular ainda mais a entrada de bens e combustíveis no país.

O estudo sublinha que mais de um terço da população iemenita não sabe de onde irão receber a próxima refeição.

O Rial Iemenita depreciou quase 180 por cento desde 2015 e o preço da comida inflacionou a uma média de 68 por cento no mesmo período.

A Save the Children indica ser agora preciso despender 600 riais para comprar um dólar, embora os conversores de divisas online como o Oanda ou o XE Currency fixem o câmbio nos 250 riais para adquirir um dólar ou os 290 para um euro.

Há três anos, a ONG dizia ser preciso cerca de 215 riais para comprar um dólar.

O preço de combustíveis como o petróleo, o gasóleo ou o gás de cozinha subiu cerca de 25 por cento entre novembro do ano passado e setembro deste ano. A alimentação duplicou o valor em algumas zonas do país numa questão de dias.

Apesar dos mercados ainda estarem abastecidos, as famílias iemenitas já não são capazes de suportar o preço inclusive de alimentos básicos como pão, leite ou ovos, agravamento a escassez nutritiva das crianças.

As equipas da Save the Children tem recolhidos relatos de alguns lares onde foi assumida a difícil decisão de levar um bebé malnutrido para o hospital em vez de alimentar o resto da família.