Última hora
This content is not available in your region

"Nova Guantánamo" de Lesbos tem mais de 8000 migrantes

"Nova Guantánamo" de Lesbos tem mais de 8000 migrantes
Tamanho do texto Aa Aa

O campo de refugiados de Moria, na ilha de Lesbos, na Grécia, tem capacidade para 3200 pessoas, mas neste momento alberga entre 8000 e 9000.

Ao todo, segundo o governo grego, na ilha de vivem cerca de 11 mil requerentes de asilo. Com a capacidade do campo lotada, são muitos os que montaram tendas do lado de fora. Os mais vulneráveis continuam a ser transferidos para o continente, mas o ritmo de chegadas também não para.

"As pessoas têm de ficar horas na fila para conseguir comida, para qualquer refeição. Por exemplo, para o pequeno-almoço, chegam à fila às duas ou três da manhã e ficam à espera até às sete", conta Najtaba Salehi, refugiado afegão.

A atual política da União Europeia obriga as autoridades gregas a manter as pessoas aqui no campo. O sentimento de insegurança aumenta: "Viemos para aqui para estarmos numa situação segura. Infelizmente, não estamos seguros, estamos numa situação muito má. Todos os dias, todas as noites, há lutas e há pessoas a serem mortas. Não queremos ficar aqui. Sobretudo as famílias não querem ficar, querem sair o mais depressa possível, porque o tempo está a ficar mais frio", diz outro refugiado afegão, Mohammad Hasher Mirzad.

Tanto os migrantes aqui retidos como os habitantes da ilha de Lesbos concordam numa coisa: Esta situação não pode durar e a União Europeia tem de fazer alguma coisa.

"Repetidos incidentes de violência, sobrelotação, condições sanitárias chocantes. É Moria, para muitos o pior campo de refugiados do mundo. Muitos descrevem-no como uma prisão. O inferno na terra ou a nova Guantánamo", como descreve o enviado especial da euronews a Lesbos, Apostolos Staikos.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.