Última hora

Última hora

Theresa May pressiona UE a aceitar acordo proposto para o 'Brexit'

Em leitura:

Theresa May pressiona UE a aceitar acordo proposto para o 'Brexit'

Theresa May pressiona UE a aceitar acordo proposto para o 'Brexit'
Tamanho do texto Aa Aa

A cerca de seis meses da anunciada saída do Reino Unido da União Europeia (UE), o Brexit será um dos principais temas da cimeira informal dos 28 estados membros. A primeira-ministra britânica, Theresa May, foi recebida em Salzburgo pelo chanceler austríaco Sebastian Kurz, que ocupa também a presidência rotativa da UE.

Antes de iniciar o encontro, May pressionou a UE a aceitar a sua proposta de acordo, que prevê uma fronteira aberta entre as duas Irlandas.

A governante defendeu "que esta é a melhor proposta, porque assegura uma relação comercial sem fricções. May dissa ainda que "é o único plano credível em cima da mesa que cumpre o objetivo de não ter uma fronteira fechada entre Irlanda do Norte República da Irlanda e que respeita o voto do povo britânico.

Por fim, acrescentou que para haver uma conclusão positiva, a União Europeia tem de rever a sua postura, porque o Reino Unido também já evoluiu a sua posição.

A mensagem da chefe do governo britânico tem como destinatários os presidentes da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, e do Conselho Europeu, Donald Tusk.

Aliás, Tusk veio a público dizer que o plano de Theresa May "não é satisfatório" e que o tempo para se chegar a um acordo caminha a passos largos para o fim.

Já esta semana, o negociador chefe da União Europeia para o 'Brexit, Michel Barnier, avisou que o próximo encontro de líderes em outubro será "o momento da verdade" para o processo.

O anfitrião da cimeira, Sebastian Kurz, garantiu que prefere um consenso entre as partes a assumir a inevitabilidade de uma ruptura.

"Um Brexit duro é uma situação em que todos perdem e será muito melhor haver uma solução de compromisso entre o Reino Unido e a União", afirmou o chanceler austríaco.

A discussão das propostas será feita à margem de Theresa May, que terá de abandonar o encontro para os restantes 27 decidirem o caminho a seguir neste processo.