Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Ralph Brinkhaus vence liderança do grupo parlamentar CDU-CSU

Ralph Brinkhaus vence liderança do grupo parlamentar CDU-CSU
Tamanho do texto Aa Aa

Apesar de ter o apoio de Angela Merkel, o líder da bancada parlamentar conservadora Volker Kauder, um dos mais fiéis aliados da chanceler alemã no partido, foi afastado a favor do concorrente Ralph Brinkhaus, que reuníu 60% dos votos na eleição para a renovação do cargo realizada ontem.

Ao fim de anos a remar contra ventos e marés, este é um golpe sério para a liderança do bloco conservador por parte de Angela Merkel. A chanceler tinha expressado claramente a sua preferência por Volker Kauder e apelado ao partido que apoiasse a sua re-eleição. Assim, a sua derrota é interpretada pela imprensa e pela oposição como uma derrota para a chanceler e como o início do fim da era Merkel.

É cedo para julgar se o vencedor representa uma ameaça, pois o novo líder parlamentar não tem um cadastro de oposição à chanceler e afirmou estar pronto a trabalhar com ela.

Mas o facto é que Merkel perdeu um aliado próximo e o futuro da colaboração com Ralph Brinkhaus é incerto.

Este tem sido um ano difícil para Angela Merkel. Para além do confronto com o líder da CSU e ministro do Interior, Horst Seehofer, sobre a política de migração, na semana passada a chanceler teve mais um revés com o escândalo do chefe dos serviços secretos internos, Hans-Georg Maassen, e as suas ligações ao partido populista de extrema-direita Alternativa para a Alemanha.

Angela Merkel está no seu quarto mandato e foi muitas vezes alvo de críticas no passado por não dar voz a uma nova geração de membros do partido. Isso poderá agora mudar e uma dessas novas vozes poderá ser a de Annegret Kramp-Karrenbauer, secretária-geral do partido e colaboradora fiél da chanceler, que é apontada como favorita para a liderança dos conservadores. Outros dos nomes que se ouvem é o da ministra da defesa, Ursula von der Leyen, com quem a chanceler tem também uma estreita colaboração.

Mas há outros candidatos preferidos pelo adversários da chanceler para a liderança do partido. Um dos nomes apontados é o do jovem e ambicioso ministro da Saúde, Jens Spahn, um dos maíores críticos da chanceler no que diz respeito à sua política para a migração.

No seu quarto mandato, a chanceler tem ainda três anos para governar antes de decidir o futuro dos conservadores alemães.