Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Caso Skripal: Rússia nega que um dos suspeitos seja um coronel da inteligência militar russa

Caso Skripal: Rússia nega que um dos suspeitos seja um coronel da inteligência militar russa
Tamanho do texto Aa Aa

O site Bellingcat identificou na quarta-feira Ruslan Boshirov, um dos suspeitos do ataque ao ex-espião russo Sergei Skripal e sua filha, como Anatoliy Chepiga.Trata-se de um oficial de 39 anos de idade, um coronel que trabalhou no serviço central de inteligência militar da Rússia GRU durante 17 anos, nove dos quais como agente secreto, tendo participado em três campanhas militares na Chechénia e também na Ucrânia. Anatoliy Chepiga recebeu mais de 20 condecorações pelo seu serviço, incluíndo a de Herói da Federação Russa, a mais alta condecoração militar do país.

A porta-voz do ministério dos negócios estrangeiros russo Maria Zakharova escreveu na rede social Facebook que se trata de uma informação falsa, que surgiu depois do discurso da primeira-ministra britânica Theresa May no Conselho de Segurança da ONU , cujo fim é distraír a atenção do público da verdade dos factos relativos ao envenenamento de Sergei Skripal e sua filha em Salisbury, no Reino Unido.

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Sergey Lavrov, afirmou horas antes que o site de investigação Bellingcat tem ligações com os serviços de inteligência britânicos, que são por detrás desta campanha de informação.

Não há qualquer registo oficial da condecoração de Anatoliy Chepiga como Herói da Federação Russa, que normamlmente é feita pessoalmente pelo presidente russo, o que sugere que estará ligada a uma missão secreta. Se as alegações sobre a identidade do suspeito forem verdadeiras, Vladimir Putin não só conhecerá o suspeito mas estará a encobrir os suspeitos do ataque ao ex-espião russo.

Hoje de manhã, o editor do Insider's RussiaCharles Bausman disse à Euronews que existe uma outra vertente desta investigação que prova que a escala de envolvimento da Rússia no caso é maior do que se julga até ao momento. Esta será divulgada na próxima semana.