Última hora

Última hora

Ilha da discórdia é novo lar de refugiados

Em leitura:

Ilha da discórdia é novo lar de refugiados

Ilha da discórdia é novo lar de refugiados
Tamanho do texto Aa Aa

A uma hora de barco da terra mais próxima, uma ilha no Bangladesh prepara-se para receber 100 mil refugiados rohingyas. Num cenário em construção, erguem-se mais de um milhar de habitações. O projeto está atrasado, mas a inauguração mantém-se inalterada para 3 de outubro. Contra todos os alertas.

Bhashan Char, é uma pequena ilha que surgiu na Baía de Bengala há pouco mais de 10 anos. Uma faixa de terra inóspita e sujeita a inundações. A exposição elevada a ciclones tropicais faz do trajeto por mar uma aventura perigosa, ou, por vezes, mesmo impossível.

No entanto, o governo de Bangladesh continua a defender a viabilidade da solução. "Bhashan Char é muito vasto. Pode acolher mais de 100 mil refugiados rohingyas. Somos capazes de ajudar mais de um milhão de pessoas", afirma Ayesha Fardaus, deputada de Bengala.

Vários grupos de direitos humanos pediram a Bangladesh para abandonar o projeto. Mas com os campos de refugiados superlotados e depois de um investimento de 280 milhões de dólares em infraestruturas, o governo vai mesmo avançar com o realojamento de 50 a 60 famílias, numa primeira fase.

No campo de Bhashan Char um trabalhador conta que "no total, 1.440 casas e 120 centros de acolhimento foram instalados aqui em Bhashan Char, a maior parte do trabalho de construção dessas 1.440 casas já foi concluída. O resto está a progredir muito rapidamente. Terminaremos em breve".

As autoridades afirmam que ninguém será obrigado a mudar-se. Mas defendem que no novo campo vai ser mais fácil prestar ajuda humanitária e formar habitantes,

Atualmente o Bangladesh acolhe cerca de 700 mil rohingyas muçulmanos que no último ano fugiram do Myanmar, onde são perseguidos.