Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Ryanair: mais uma greve e milhares de passageiros em terra

Ryanair: mais uma greve e milhares de passageiros em terra
Tamanho do texto Aa Aa

No aeroporto de Bruxelas alguns funcionários da Ryanair distríbuem folhetos a passageiros com informações sobre a sua relação laboral com a empresa.

Cerca de 250 voos na Bélgica, Itália, Portugal, Espanha, Holanda e Alemanha estão cancelados devido à greve, deixando em terra milhares de passageiros.

Tal como nas dos últimos meses, a greve deve-se à presente disputa entre a administração da empresa e os trabalhadores relativamente aos salários e às condições de trabalho. A questão principal é que o regime de contratação da maioria dos trabalhadores baseia-se na lei irlandesa, que é menos benéfica e estes exigem assim ser contratados com base na lei dos países onde trabalham e vivem.

Esta exigência foi também feita pela Comissão Europeia à Ryanair, que está em negociações colectivas com sindicatos nalguns dos países com esse fim.

Mas os trabalhadores queixam-se que as negociações são lentas e que não bastam.

Sarkis Simonjan, ex-membro da tripulação de cabine da Ryanair, falou à Euronews sobre as condições de trabalho na empresa.

Q: Como era o seu trabalho como membro da tripulação de cabine?

"Para ser membro da tripulação de cabine é necessário completar-se primeiro um treino, que é difícil e tem duração de 8 semanas. No início é interessante mas depois, quando se vêem as condições reais de trabalho, é uma desilusão e o resultado é o que vemos aqui hoje."

Q: Quais são as condições de trabalho? Quanto recebem de salário e quantas horas trabalham?

"Por exemplo, pode trabalhar-se cerca de 200 horas por mês e ser pago somente 90 horas porque somos pagos pelo tempo de voo e não pelo tempo ao serviço. Para além disso, não somos pagos pelo tempo de atrasos nos voos nem por voos cancelados."

Q: Foi recentemente despedido da Ryanair. Disseram-lhe que o seu desempenho foi insatisfatório e que deu faltas por doença injustificadas mas pensa que foi despedido por outra razão, correcto?

"Claro, o que Michael O’Leary disse foi uma difamação. Todas as minhas faltas foram justificadas e o meu desempenho foi excelente e tenho provas disso, que serão agora entregues em tribunal. Todas as mentiras e histórias que diz cada vez que dá uma entrevista serão desvendadas e as pessoas conhecerão a situação e as estatísticas reais da Ryanair."