Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Salvador Sobral: "No futebol jogo à defesa, não na vida"

Salvador Sobral: "No futebol jogo à defesa, não na vida"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Estamos no Teatro Nuevo Apolo, um dos palcos mais prestigiosos de Madrid, que reservou duas noites de casa cheia e aplausos de pé para Salvador Sobral.

Cantar no Olympia? É um sonho. Mas sou um pessimista moderado, prefiro pensar que as coisas não vão acontecer.

Salvador Sobral Cantor e músico

Foi a vitória na Eurovisão em 2017, com "Amar pelos dois", que o tornou conhecido, mas é a sensibilidade na voz, o talento e o humor que prendem o público.

É uma nova etapa na ainda jovem carreira. Para trás, fica a Eurovisão, os meses no hospital e o transplante cardíaco. Nova vida, novo visual, agora de cabelo curto: "Eu sinto isso. Agora, sou diferente. Há um virar de página, associo um pouco o cabelo ao passado. De repente, agora, sinto-me mais fresco e mais leve", diz a respeito do novo visual.

Salvador recebeu a euronews entre os dois concertos.

Entrevista

Ricardo Figueira, euronews: Está aqui em Espanha, um país que lhe é muito familiar, onde já viveu. Sinto que há um carinho enorme do público espanhol em relação a si. Como reage a isso?

Salvador Sobral: Eu gosto muito, até porque também me sinto um pouco espanhol. Também gosto muito deles. É bom sentir que é recíproco. Gosto de todas as regiões de Espanha, cada uma tem coisas diferentes de que gosto.

Esta digressão passa por várias cidades espanholas, depois tem algumas datas em Portugal e concertos na Alemanha, Polónia e Suíça. Há a possibilidade de vir a tocar em mais países, nomeadamente França ou Itália?

Quero muito. Sobretudo França. Tirando a América Latina, é o sítio onde ainda não toquei e mais gostaria de tocar.

Fotos: EPA/J.P.Gandul/LUSA

Salvador no Olympia?

É um sonho. Mas sou um pessimista moderado, prefiro pensar que as coisas não vão acontecer.

Para despachar já este assunto, porque sei que não gosta muito de falar dele: Como vai a saúde, a recuperação do transplante?

Isto é um caminho, não é uma coisa que fica curada e pronto. Mas está tudo a correr bem, felizmente. Posso jogar futebol e fazer coisas que não podia fazer há muito tempo.

Tem marcado golos?

_Alguns, mas prefiro jogar à defesa. Só no futebol, não na vida.
_

Novo disco

Do novo álbum, o segundo de originais, conhecemos já algumas canções. "Mano a mano", apresentada no último Festival da Eurovisão, é uma delas. Tem letra de Maria do Rosário Pedreira e música de Júlio Resende - o pianista e compositor que é uma peça fundamental na banda de Salvador Sobral. O disco vai sair lá para o fim do ano.

Outro dos novos temas, "Cerca del Mar", tem também um videoclip:

"Não gosto muito de gravar discos, porque eu gosto é disto. Do vivo, do que acontece ali no palco. O estúdio deixa-me um bocadinho "agoviado" (sobrecarregado), como dizem os espanhóis. Mas tem de ser. É um cartão-de-visita para os promotores, para as produtoras, temos de vender discos. Por isso, estou a abraçar este espírito e vamos fazer o disco em novembro", conta o cantor a respeito do novo trabalho.

Além do humor, o público conhece já também a espontaneidade de Sobral, o lado inventivo. Da boca, faz um trompete. Talvez um dia retome as lições e possa cantar e tocar trompete, como o ídolo Chet Baker, que cita como uma das maiores influências. A par, naturalmente, da irmã Luísa (que compôs para ele "Amar pelos dois"), com quem continua uma colaboração fusional - ela escreveu uma canção para o novo álbum de Salvador e ele escreveu para o novo álbum dela.

Edição de imagem: Eric Chevillard

Agradecimento especial: Daniela Santiago e Hernán Miller (RTP)