EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Yussuf Adam nega 'jihadismo' nos ataques de Cabo Delgado

Yussuf Adam nega 'jihadismo' nos ataques de Cabo Delgado
Direitos de autor 
De  Bruno Sousa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Historiador moçambicano rejeita motivações religiosas na base dos ataques e fala em "sublevação popular"

PUBLICIDADE

Noventa mortos, 67 feridos e mais de 1600 casas destruídas. É o balanço dos ataques registados no último ano na província de Cabo Delgado, no extremo nordeste de Moçambique.

Apesar dos grupos responsáveis pela violência nunca terem feito reivindicações, suspeita-se da mão do grupo militante islâmico al-Sunnah. No entanto, para Yussuf Adam os ataques não têm nada a ver com a religião, mas sim com política.

Em entrevista à Lusa, o historiador moçambicano garante que "não faz sentido falar de ‘jihadismo’", considerando ser um rótulo como outros que surgem associados "a tudo o que é populações islâmicas."

Para Yussuf Adam, aquilo que se passa na região explica-se de forma bem simples: "trata-se de uma revolta, de uma sublevação camponesa. Eu diria mesmo de uma sublevação popular, porque são pessoas da região que se sentem exploradas e discriminadas."

A série de ataques levou a polícia moçambicana a efetuar 280 detenções e esta semana, 189 pessoas começaram a ser julgadas no Tribunal Judicial da Província de Cabo Delgado, em Pemba.

Editor de vídeo • Bruno Sousa

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Pelo menos 98 mortos em naufrágio de barco de pesca em Moçambique

O testemunho das vítimas do 11M, 20 anos depois: "Estava estendido no chão"

Autoridades francesas estão a tratar o atentado de Paris como "conspiração terrorista"