A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Yussuf Adam nega 'jihadismo' nos ataques de Cabo Delgado

Yussuf Adam nega 'jihadismo' nos ataques de Cabo Delgado
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Noventa mortos, 67 feridos e mais de 1600 casas destruídas. É o balanço dos ataques registados no último ano na província de Cabo Delgado, no extremo nordeste de Moçambique.

Apesar dos grupos responsáveis pela violência nunca terem feito reivindicações, suspeita-se da mão do grupo militante islâmico al-Sunnah. No entanto, para Yussuf Adam os ataques não têm nada a ver com a religião, mas sim com política.

Em entrevista à Lusa, o historiador moçambicano garante que "não faz sentido falar de ‘jihadismo’", considerando ser um rótulo como outros que surgem associados "a tudo o que é populações islâmicas."

Para Yussuf Adam, aquilo que se passa na região explica-se de forma bem simples: "trata-se de uma revolta, de uma sublevação camponesa. Eu diria mesmo de uma sublevação popular, porque são pessoas da região que se sentem exploradas e discriminadas."

A série de ataques levou a polícia moçambicana a efetuar 280 detenções e esta semana, 189 pessoas começaram a ser julgadas no Tribunal Judicial da Província de Cabo Delgado, em Pemba.