A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Polícia turca esteve nove horas no Consulado saudita

Polícia turca esteve nove horas no Consulado saudita
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Investigadores turcos estiveram cerca de 9 horas dentro do Consulado da Arábia Saudita em Istambul. Saíram já de madrugada e ainda não são conhecidos os resultados das perícias.

13 dias depois do desaparecimehto do jornalista saudita Jamal Khashoggi, as autoridades turcas mantém a teoria de que este foi assassinado dentro do posto diplomático. Acusações que Riade continua a negar.

Jornalistas no local reportam que, antes dos investigadores turcos entrarem no consulado, foram vistas equipas de operacionais sauditas e de limpeza entrar e sair do edifício.

O Presidente dos Estados Unidos veio entretanto adiantar uma nova explicação para o que aconteceu. Donald Trump diz que falou directamente com o Rei Salman da Arábia Saudita e que "assassinos rebeldes" poderão ser responsáveis pela morte do jornalista, conhecido por ser crítico das políticas de Riade.

O presidente norte-americano enviou o Secretário de Estado Mike Pompeo à capital saudita, para falar com o Rei e com o Príncipe herdeiro. Mohamed bin Salman desempenha as funções de vice-primeiro-ministro e de ministro da defesa e é considerado o responsável pelos últimos anos de governação saudita.

O desaparecimento de Khashoggi ameaça as relações da Arábia Saudita com o Ocidente. Washington e Londres exigiram publicamente respostas a Riade sobre o desaparecimento do jornalista. A CNN e o New York Times chegaram a avançar que os sauditas iriam confessar que Khashoggi foi morto na sequência de um interrogatório que correu mal, mas tal ainda não aconteceu.