Última hora

Última hora

Carles Puigdemont: "neste momento somos tratados como criminosos"

Em leitura:

Carles Puigdemont: "neste momento somos tratados como criminosos"

Carles Puigdemont: "neste momento somos tratados como criminosos"
Tamanho do texto Aa Aa

Nesta edição de UNCUT, o político franco-alemão Daniel Cohn-Bendit, um dos rostos do Maio de 68, entrevista Carles Puigdemont.

Um ano depois do referendo sobre a independência da Catalunha, o antigo presidente da região autónoma vive na Bélgica continua a defender que os catalães têm o direito de escolher se querem ou não a autonomia.

“Não é uma decisão que deva ser tomada por dois governos ou dois parlamentos. São os cidadãos da Catalunha que devem poder dizer sim ou não e chegar a acordo para gerir o resultado do voto”, disse Puigdemont, em conversa com o antigo deputado do Parlamento Europeu.

O antigo presidente da Catalunha sublinha a importância de uma consulta popular para desbloquear a atual situação de impasse.

“A única forma de saber realmente se há uma maioria ou não a favor da independência é permitir uma consulta”.

Puigdemont pede diálogo e igualdade ao governo espanhol.

“Precisamos de conversar para que haja um reconhecimento mútuo. Porque, neste momento, somos tratados como criminosos. Esta situação tem de evoluir porque não podemos sentar à mesa alguém que representa a autoridade e alguém que representa criminosos”.

Como é hábito, nas entrevistas de UNCUT não há cortes durante a montagem. O espetador segue o na íntegra o diálogo entre Daniel Cohn-Bendit e o seu entrevistado.