Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

"Mea culpa" saudita à morte de Jamal Khashoggi

"Mea culpa" saudita à morte de Jamal Khashoggi
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Ao canal de televisão norte-americano Fox, o ministro dos Negócios Estrangeiros saudita afirmou, este domingo, que o que aconteceu a Jamal Khashoggi foi um grande e grave erro e apresentou as condolências à família do jornalista. Adel al-Jubeir garantiu ainda que a informação relativa à investigação que está em curso continuará a ser divulgada.

Esta tomada de posição acontece quando a onda de ceticismo, por parte da comunidade internacional, e em relação à versão apresentada pela Arábia Saudita, aumentava. Donald Trump deixava de considerar os sauditas "credíveis" e falava agora em mentiras, enquanto as autoridades francesas se mostravam-se mais cautelosa.

"Se eles continuarem na direção em que caminham neste momento: o de estabelecer a verdade com uma investigação séria, estabelecer os fatos, acho que podemos manter um forte relacionamento estratégico com a Arábia Saudita. Se isso não acontecer, ninguém vai aceitar: nem França nem a União Europeia nem os Estados Unidos. A Arábia Saudita é um parceiro estratégico, mas não podemos ter uma relação de confiança que não seja fundamentada na verdade", adiantou Bruno Le Maire, ministro das Finanças gaulês.

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, afirmou, no domingo, que o seu país revelará "toda a verdade" sobre este caso. O Reino Unido, que tem uma posição menos flexível que França sobre esta questão, apoia a Turquia e lança acusações à Arábia Saudita:

"Não, eu não acho que seja credível e acho que é um caso horrível, apoiamos a investigação turca nesta matéria, e o governo britânico quer ver responsabilizados os autores desta morte, que foi horrível", afirmou Dominic Raab, ministro britânico para o Brexit.

Jamal Khashoggi desapareceu a dois de outubro. Entrou na embaixada saudita em Istambul e não voltou a sair. Só este sábado as autoridades sauditas admitiram que o jornalista, crítico de Riade e do príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, nunca chegou a sair da representação diplomática, lugar onde foi morto, alegadamente, na sequência de uma briga.