EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Universidade Centro-Europeia poderá abrir campus em Viena perante pressão na Hungria

Universidade Centro-Europeia poderá abrir campus em Viena perante pressão na Hungria
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O milionário George Soros diz que Viktor Orbán está a tentar banir a instituição por ele fundada.

PUBLICIDADE

É considerada uma das melhores instituições de Ensino Superior em solo húngaro mas tudo aponta para que a Universidade Centro-Europeia (CEU) venha a abrir um campus em Viena, na vizinha Áustria.

O executivo de Viktor Orbán acusa a universidade, fundada pelo milionário e rival George Soros, de funcionar sem preencher todas as exigências legais.

"A nossa decisão entra em vigor a 1 de dezembro. Apesar deste prazo apertado ainda estamos a procurar uma solução que nos permita permanecer em Budapeste como uma instituição livre", disse, em conferência de imprensa, o reitor Michael Ignatieff.

A universidade quer garantias de que a Hungria vai honrar um acordo sobre graus credenciados por americanos caso contrário concretiza os alertas.

"A atual lei do Ensino Superior contém uma opção que permite um diploma comum aos EUA e à Hungria sem qualquer ratificação. Se a Universidade Centro-Europeia não usa esta oportunidade, penso que deveria ser considerada como uma ação política", acrescentou Gergely Gulyás, chefe de gabinete de Vitkor Orbán.

Quando foi aprovada, a "lex CEU" gerou uma vaga de protestos.

A norma estabelece que as instituições académicas financiadas com fundos provenientes do exterior tenham uma sede e programas no país de origem, os EUA neste caso. Exige ainda um acordo entre os governos dos dois países, ainda que nos EUA as competências da educação correspondam aos estados.

Orbán já definiu Soros como o "maior inimigo do povo húngaro" quando a tensão entre ambos subiu de tom durante a crise migratória de 2015.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Governo australiano saúda libertação de Julian Assange

Netanyahu diz que envio de armamento dos EUA diminuiu e admite fim da "fase intensa" dos combates

Houthis reivindicam ataques a contratorpedeiro dos EUA e a dois navios petroleiros