Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

"Ninguém vai entrar", diz Trump

"Ninguém vai entrar", diz Trump
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

15 mil militares. Donald Trump admite enviar para a fronteira com o México um contingente quase 3 vezes maior do que aquele que os Estados Unidos têm no Iraque.

Em vésperas das eleições intercalares para o Congresso, o presidente norte-americano, aproveita a aproximação das caravanas de migrantes vindos da América Central, para endurecer o discurso contra a imigração.

"Ninguém vai entrar. Não vamos deixar as pessoas entrar" diz o presidente norte-americano, acrescentando que há evidência do caráter "rude" das pessoas das duas caravanas conhecidas.

Trump refere-se também às notícias de que vai partir um novo grupo de El Salvador e anuncia que está a estudar seriamente a possibilidade de parar qualquer ajuda a estes países, por "nada estarem a fazer pelos americanos".

O Secretário norte-americano da Defesa veio entretanto reafirmar a prontidão dos militares para colaborarem com a polícia e os serviços de fronteiras. "Não fazemos teatro neste departamento", garante James Mattis, na resposta às acusações de que esta manobra tem o único propósito de desviar a atenção das eleições de 6 de novembro.

O Pentágono garante que já identificou os militares que podem ser deslocados para a fronteira.

Duas caravanas com cerca de 6 mil pessoas procedentes da América Central estão agora no sul do México. Trump anunciou o destacamento de 5 mil e 200 soldados para a fronteira que vão juntar-se aos cerca de 2 mil e 100 membros da Guarda Nacional.